Jogamos

Análise: Rez HD (XBLA)

A música e os videogames estão interligados. Desde os primórdios da indústria, os desenvolvedores notaram que os jogos se tornam mais intere... (por Jardeson Barbosa em 16/08/2012, via Xbox Blast)

A música e os videogames estão interligados. Desde os primórdios da indústria, os desenvolvedores notaram que os jogos se tornam mais interessantes com a adição de elementos sonoros. No entanto, essa união poucas vezes nos proporcionou uma experiência realmente sinestésica, que fosse além do que os jogos de ritmo, por exemplo, podem oferecer. Em 2001, um desenvolvedor japonês conseguiu esse feito, criando um jogo impressionantemente inovador, que passou quase despercebido por todos. Alguns anos depois, esse jogo chegava à rede online do Xbox 360 e, mesmo mais velho, se mostrou perfeitamente em forma em uma robusta versão HD.


Pensando fora da caixa


Relançado em 2008, Rez HD é um jogo de tiro "nos trilhos" (o famoso rail shooter), desenvolvido e lançado pela Sega no início dos anos 2000. O título, criação de Tetsuya Mizuguchi (de Child of Eden), faz parte da leva final de jogos do Dreamcast e vendeu muito pouco na época do lançamento original. A versão HD, exclusiva da Live Arcade, veio com a intenção de apresentar aos jogadores um dos melhores títulos lançados na década passada, que poucos puderam experimentar, além de atualizar a inovadora experiência do Dreamcast (e do PlayStation 2), trazendo gráficos e áudio melhorados.

O enredo de Rez é bem simples. Todo o jogo se passa dentro de um supercomputador, conhecido como K-project. Esse computador é controlado por uma inteligência artificial, chamada Eden, que, em uma crise, está prestes a causar uma catástrofe de dimensões incalculáveis, desligando-o. É exatamente nesse ponto que entra o nosso herói sem nome, um hacker. Se transportando para o supercomputador através de um avatar, ele tem como objetivo impedir um desastre. Para isso, ele terá que enfrentar diversos inimigos, como vírus de computador e até mesmo sistemas de firewall.

No ritmo da "trance music"


As mecânicas de Rez giram em torno da música, em especial da música eletrônica. Todos os elementos do gênero rail shooter foram sobrepostos em um típico jogo de ritmo, criando uma experiência única.

 

De uma forma geral, Rez é similar a antigos jogos de arcade do mesmo gênero. Assim como outros jogos de tiro nos trilhos, o jogador não irá controlar o personagem, apenas a mira. Todos os movimentos se dão de forma automática. A diferença, no entanto, está na apresentação do título. O visual é uma belíssima (e psicodélica) homenagem à cultura cyberpunk, e o som, nitidamente um trance dance, evolui à medida que o jogador progride.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=b-UKCFT4tn4&feature=related[/youtube]

A música faz parte da experiência. Sempre que o jogador avança em um nível, novos efeitos são adicionados à música principal, criando uma espécie de progressão. Além disso, cada inimigo atingido gera um tipo de som diferente. Esses sons são extremamente sincronizados e influenciam diretamente a trilha sonora da fase. Por fim, a movimentação do cenário, dos inimigos e do próprio avatar do jogador estão sincronizadas com a trilha sonora, criando uma sensação de sinestesia indescritível.

A trilha sonora do título, que é um destaque à parte, foi assinada por nomes como Ken Ishii e Adam Freeland, grandes destaques no cenário eletrônico mundial.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=WMMWwqwRggQ[/youtube]

Visual geométrico


Rez é um jogo à frente de seu tempo nos aspectos visuais. A maneira como os desenvolvedores transpuseram as entranhas do computador K-project para o jogo é, de certa forma, artísticamente interessante.



Todos os elementos visuais do título são desenvolvidos a partir de figuras geométricas e wireframes, como em jogos do primórdio da era 3D. Os cenários e inimigos ainda são diretamente influenciados pela cultura pop dos anos 1980, com cores cintilantes e vibrantes que reforçam a base ciberpunk do título.



Por não tentar ser inutilmente realista, Rez HD possui um visual agradável e atual, mesmo em sua versão original.

Melhor ainda no Xbox 360


Rez é o típico "melhor jogo que ninguém jogou" da biblioteca do Dreamcast, mas o título ficou melhor ainda no Xbox 360.

O subtítulo HD não está aí a toa. O visual recebeu uma singela (mas notável) melhoria nas texturas. Além disso, a resolução do jogo foi, obviamente, aumentada e ele está em widescreen. Para os mais saudosistas, ainda é possível jogar o título como ele era jogado no Dreamcast, com a antiga resolução.


Na parte sonora, temos agora o áudio em surround 5.1, que consegue, finalmente, transpor toda a grandiosidade da trilha sonora do título, algo que não era fielmente captado pelo sistema do velho Dreamcast.

Os controles se mantiveram os mesmos e, infelizmente, não há nenhum tipo de suporte para o Kinect. No entanto, o controle do Xbox 360 proporciona uma experiência satisfatória, inclusive na relação musical, já que a vibração do controle foi sincronizada com as músicas.

Somente no Xbox 360


Rez HD é um jogo interessantíssimo, principalmente para aqueles que gostam de títulos diferentes, que vão além do lugar comum. O preço é, também, para lá de atrativo. O jogo custa apenas 800 Microsoft Points e há até uma versão demo, algo importante para aqueles que preferem conhecer o título antes de realizarem a compra. Infelizmente o jogo ainda não está disponível na Live brasileira. Para adquiri-lo é necessário possuir uma conta americana.

Apesar de tudo, vale frisar que o jogo é bem curto para os padrões atuais, e que não oferece um fator replay considerável, o que é uma pena.



O visual perfeccionista, a trilha sonora impressionante e as referência à cultura ciberpunk fazem de Rez HD uma das jóias raras da Xbox Live Arcade. Se você for fã de shooters on-rails e/ou de música, faça um favor a si mesmo e jogue Rez HD.

Prós



  • Visual muito interessante;

  • Trilha sonora cativante;

  • Controles precisos;

  • Barato.


Contras



  • Dura pouco;

  • Sem multiplayer ou modos extras que garantam um replay.



Rez HD - Xbox Live Arcade - Nota: 9.0


Visual: 9.0 | Som: 10 | Jogabilidade: 9.0 | Diversão: 9.0



Revisão: José Carlos Alves

Jardeson Barbosa escreve para o Xbox Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook