Item Box

Item Box: Gnomo Chompski (Left 4 Dead 2 / Half-Life 2)

Mais uma vez dezembro chegou, o mês mais esperado pelas crianças do mundo inteiro, afoitas para receber seus presentes de Papai Noel enq... (por Thiago Pires em 01/12/2012, via Xbox Blast)

Mais uma vez dezembro chegou, o mês mais esperado pelas crianças do mundo inteiro, afoitas para receber seus presentes de Papai Noel enquanto seus pais tentam lhes ensinar alguns valores. Mas o que seria de Noel sem seus adoráveis ajudantes? Em alguns lugares, eles são chamados de elfos, no Brasil o mais comum é chamá-los de duendes, mas eles também podem ser chamados de gnomos. O gnomo do qual falaremos não tem nenhuma ligação com o bom velhinho, a não ser, talvez, na aparência, mas é em clima de final de ano que abrimos este artigo para falar dele, querido por muitos e odiado por tantos outros: o gnomo Chompski.

Apenas um anão de jardim?

O gnomo Chompski, à primeira vista, não passa de mais um item decorativo a ser colocado em seu jardim, assim como muitas pessoas comumente fazem. E, já que ele tem aquela aparência clássica de um anão de jardim, como um Papai Noel em miniatura, com seu chapéu vermelho e uma longa barba branca, ele pode se passar por uma linda e inofensiva estatueta.

Um lindo gnomo para o seu jardim... Ou não!

Mas a verdade por trás do gnomo Chompski vai muito além disso. Sua presença nos games tem levado muitos jogadores à loucura, seja por sua aparência fofinha que surge como uma flor no meio da destruição, seja por motivos mais obscuros.

A terrível síndrome de carregamento de gnomos

Desculpem-me se o subtítulo parece aterrorizante ou dramático, mas me pergunto se existe maneira melhor de explicar o que se passa nos mundos em que o gnomo Chompski foi inserido. Em Left 4 Dead 2, ele pode ser adquirido através de um minigame da campanha Dark Carnival, em que os sobreviventes têm que passar por um parque de diversões a fim de chegar até o resgate. Conseguindo 750 pontos no tiro ao alvo, o jogador obtém o direito de carregar o gnomo Chompski consigo.

"Tanto trabalho para isso?"

Já o segundo episódio de Half-Life 2 deixa as coisas mais fáceis na hora de adquirir o gnomo. Ele simplesmente está por lá, pronto para ser apanhado por Gordon Freeman.

Tudo é bem simples, tudo natural...

Ilude-se o jogador que acha que o pequeno gnomo é apenas uma brincadeirinha da Valve, uma forma de descontrair, inserindo um objeto aparentemente sem nenhuma utilidade a não ser a de causar algumas risadas momentâneas, uma pequena distração. De fato, o gamer que quiser pode simplesmente largar o gnomo para lá e seguir sua jogatina. Mas nós vivemos, hoje, em um mundo em que um jogador realmente talentoso não é simplesmente aquele que finaliza o jogo no menor tempo possível.

O mundo das conquistas

E não vale pedir ajuda!
Se você realmente pensou que o gnomo Chompski foi incluído nestes jogos sem nenhum motivo, prepare-se para descobrir a verdade: o gnomo Chompski é o elemento principal de duas conquistas das mais intrigantes e mirabolantes tanto no game dos zumbis, quanto no de Gordon Freeman. E, para desbloqueá-las, é necessário conseguir carregar o gnomo até o final do game ou da campanha. Digo conseguir, porque esta não é uma tarefa das mais fáceis.

No segundo episódio de Half-Life 2, o gnomo pode ser encontrado logo no começo do jogo. Para desbloquear a conquista "Little Rocket Man" (algo como "Homenzinho do Foguete" ou "Pequeno Astronauta", também uma brincadeira com a expressão "little green man", literalmente "homenzinho verde", usada para designar os alienígenas), é necessário levar o gnomo Chompski consigo durante quase todo o tempo, aproveitando-se, no máximo, de momentos chave em que Gordon deve voltar a um lugar anteriormente visitado e deixar o gnomo em um lugar seguro. Agora, imagine dirigir um supercarro enquanto tenta equilibrar um anão de jardim dentro dele, ou se esquivar de ataques enquanto atira nos inimigos sem jogar o pequeno artefato em um lugar inalcançável. Por fim, é preciso colocar o gnomo Chompski dentro do foguete (o mesmo foguete enviado para fechar o Superportal) e torcer para que tudo tenha dado certo, já que o aviso de desbloqueio da conquista não aparece até o final dos créditos.

"Não se preocupe, Izzy. O gnomo Chompski já está a bordo".

Já Left 4 Dead 2 deixa as coisas bem complicadas para aqueles que quiserem tentar a sorte e desbloquear a conquista "Guardin' Gnome". Isso porque, além de ocupar grande parte da área de visão de quem o estiver carregando, o gnomo impede que o sobrevivente atire nos inimigos, sendo forçado a usar a própria estatueta para tentar espantar os zumbis. É claro que é possível largar o gnomo para atirar, mas o medo de perdê-lo pode ser avassalador. Ainda, justamente o finale da campanha obriga o jogador a ficar com o gnomo Chompski nas mãos, se quiser desbloquear a conquista, até entrar no veículo de resgate, ou ainda, até terminar o jogo. Isso mesmo: o jogador não pode soltar o gnomo nem para ajudar os companheiros depois de entrar no helicóptero, tendo que segurá-lo até que os créditos rolem.

O gnomo Chompski parece não se importar com zumbis explodindo.

Na verdade, a conquista do gnomo Chompski tornou-se tão popular que a Valve lançou duas mutações baseadas nele. A primeira, "Last Gnome on Earth", faz com que os gamers comecem qualquer campanha com o artefato, sendo que eles só podem passar para o próximo capítulo, ou mesmo completar a campanha, se ainda estiverem carregando o gnomo - detalhe: todos os infectados tentarão atacar o sobrevivente que estiver com o gnomo em mãos. A segunda, "Healing Gnome", além de colocar o gnomo já na primeira sala, faz os sobreviventes terem apenas uma saúde temporária, que se esvai automaticamente com o tempo, sendo que a única maneira de recuperar a saúde é carregando o gnomo.

Feliz Natal!

Não exatamente um símbolo natalino, o gnomo Chompski pode ser facilmente confundido com um dos ajudantes de Papai Noel. E você? Já viveu muitas aventuras ao lado do gnomo? Odeia-o e sente vontade de chutá-lo só de vê-lo? Conte sua história nos comentários e ajude a complementar este artigo!

Revisão: Catarine Aurora
Thiago Pires é apaixonado por música e games, ex-graduando em Regência Coral na UFRJ, hoje trabalha como Auxiliar de Escritório, Chefe de Suporte, Gerente de TI, Diretor de Música e Trocador de Lâmpadas, além de escrever para o Xbox Blast.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook