E deste lado do ringue... rumores, especulações, e tudo que gostaríamos de ver no próximo console da Microsoft

O evento de anúncio do PlaySation 4 chamou a atenção de todo mundo gamer, uns gostaram, outros odiaram, alguns só se preocuparam em aponta... (por Pedro Vicente em 17/04/2013, via Xbox Blast)

O evento de anúncio do PlaySation 4 chamou a atenção de todo mundo gamer, uns gostaram, outros odiaram, alguns só se preocuparam em apontar erros. A Nintendo, empresa que mais vendeu consoles na atual geração com o Wii, já lanço o WiiU no mercado. A Sony realizou sua conferência de estreia do PS4. A Microsoft, no entanto, ainda não colocou as cartas na mesa. Essa luta, que mal começou, promete estremecer o mercado de videogames e o coração dos jogadores. Veja abaixo o que este gamer gostaria de ver no próximo console da empresa americana.

Atenção: todas as informações apontadas nesta matéria ainda são rumores, assim como as expectativas apresentadas não são apostas ou projeções para o futuro, apenas anseios.

Artilharia pesada

Uma das principais armas na guerra dos consoles é a potência do hardware. Claro, nem sempre gráficos e capacidade técnica se convertem em bons consoles e jogos, mas, historicamente, a batalha pela supremacia gráfica e de processamento vem tendo grande destaque entre gamers, imprensa e, claro, as próprias empresas.

O PlayStation 4 apresentou sua artilharia pesada no último dia 20 de fevereiro. Alguns rumores apontam que o sucessor do Xbox 360 representará um salto menor que o do PS4, ou seja, a capacidade gráfica do novo console da Microsoft seria inferior à de seu grande concorrente. Talvez pensando no barateamento de produção e aumento dos lucros.

Os dois consoles que buscam o título de "mais potente da geração"
Assim, seria, de fato, interessante que o console não alcançasse um salto gráfico tão grandiosso se isso resultasse em uma máquina mais barata e acessível. Entretanto, em cada nova geração esperamos um bom avanço da potência do hardware que represente novas possibilidades para o desenvolvimento (gráfico, de jogabilidade) dos games. Gostaria muito de ver um console que balanceasse esses dois polos, evoluísse, mas fosse mais acessível do ponto de vista financeiro.

O controle está na sua mão

Foi apresentado, também no evento da Sony, o DualShock 4. Na mesma esteira, especulações indicam um controle do novo Xbox bem parecido com o atual. 

Tive a possibilidade de possuir um PS3 por um tempo antes de compar meu Xbox 360. Havia me acostumado muito com a família DualShock (afinal, tive PS1, PS2 e PS3), no entanto, me adaptei muito rápido ao controle do Xbox, e em pouco tempo passei a considerá-lo como sendo superior ao de seu concorrente.

Em time que tá ganhando não se mexe?
Dessa forma, espero, do fundo de meu coração, que o novo joystick não fuja muito do atual, em minha opinião, um dos controles mais confortáveis e usuais que já experimentei.

Kinect 2.0?

Que uma nova versão do Kinect está sendo desenvolvida para o próximo console ninguém duvida. As questões em pauta são outras; se vai ser obrigatório, se terá um sistema de captações dos movimentos melhor, e se possibilitará inovações e criação de bons jogos.

O Kinect foi, de fato, uma boa ideia não tão bem executada.  Apenas alguns de seus títulos realmente fazem sentido e possuem qualidade (destaco os games de dança, que funcionaram muito bem e são ótimas garantias de diversão para quem se arriscar). Porém, outros jogos não passaram de caça-níqueis baratos e ofensivos.

Espero que o Kinect não seja obrigatório mas sim, para quem decidir comprá-lo, um item adicional importante. Obviamente com uma melhora na captura dos movimentos, aliada à ideias que utilizem o periférico de maneira inteligente, como muitos jogos de Wii, DS e 3DS aproveitaram as possibilidades de seus consoles. Cabe ressaltar que este redator não quer, de maneira alguma, que o joystick seja substituído pelo Kinect. Inclusive, acho esse papo de "fim dos controles" algo assustador, quase apocalíptico.

Antes do Kinect, nenhum jogo havia me feito achar que eu me movo que nem o Jagger

Conexão permanente

O grande rumor e  polêmica envolvendo o novo console da Microsoft até agora foi, sem dúvida, a questão da conexão permanente. Inclusive, um diretor de criação da empresa foi demitido por defender essa ideia publicamente (após ela ter sido rechaçada, é claro).

Serei enfático: quero muito boas opções para jogar online, assim como DLC´s incríveis e uma sensacional Live, mas não, no atual estado das coisas (após fiascos envolvendo jogatina sempre online) e talvez nunca, um console que precise necessariamente estar conectado à internet. 

Queremos mesmo é jogar

Nenhum console vai pra frente sem uma boa biblioteca de títulos. Além disso, algumas exclusividades são muito convenientes na brutal concorrência do mundo gamer. Até agora, surgiram apenas rumores de que um jogo da série Forza, uma das exclusividades da Microsoft, estaria sendo desenvolvido..

Enquanto a Sony, muito provavelmente, contará com títulos de peso como God of War, outros desenvolvidos por empresas como Naughty Dog e Quantic Dream, a Microsoft também deve apostar em suas franquias consagradas (Gears of War, Forza, etc,). Para muitos gamers (eu inclusive) os games exclusivos, tanto de Sony quanto Nintendo, são mais atrativos que as do console americano.

A grande expectativa é que a Microsoft consiga investir em novas franquias exclusivas, firmando parcerias com outras desenvolvedoras. É muito (mesmo) improvável que séries como Call Of Duty, e os jogos da EA, cheguem unicamente ao novo console da Microsoft, mas seria muito interessante se alguns conteúdos deles fossem exclusivos.

Batendo no bolso

Outro rumor que repercutiu negativamente foi de que jogos usados não funcionariam no novo console. Desta forma, você não poderia aproveitar o game que alguém já utilizou em outra máquina. Corre ainda o infeliz comentário apontando que os jogos do novo console custariam 70 dólares.

Se dinheiro de Banco Imobiliário valesse, não teríamos problema com o preço dos consoles e jogos
Como mostramos no início deste artigo, é muito importante que um console, e seus jogos, sejam baratos e possivelmente acessíveis. Esses dois rumores seguem, exatamente, o oposto no conceito de um videogame ao alcance de mais pessoas. Espera-se que títulos seminovos possam ser comprados e utilizados, e os jogos não sofram um aumento crítico em seus preços. Claro, o preço deles está ligado ao custo de produção, que por sua vez está relacionado à capacidade do console, e isso tudo renderia muita discussão em uma outra matéria, mas a expectativa é que não precisemos vender nossa alma para desfrutar de um videogame.

Microsoft, surpreenda-nos!

Além de todas essas expectativas, o que se espera de empresas de videogame, criativas e inovadoras, são exatamente surpresas e novidades, coisas que nos tirem o ar e apontem para novas direções na indústria e desenvolvimento de jogos. Algo que a Nintendo sempre fez, e faz, com maestria.

A provável data para o início da revelação do novo console (Xbox 720, Durango, Xbox 3, etc,) é o próximo dia 21 de maio. Até lá, mais rumores e novidades aparecerão, não deixe de conferir tudo aqui no Xbox Blast. Veremos se a Microsoft irá revestir seu mundo de moinho e triturar os sonhos e anseios apresentados nesta matéria.
E você, o que gostaria de ver no novo console da Microsoft? Quais suas apostas? Compartilhe com a gente.
Revisão: Bruna Lima
Capa: Diego Migueis 
Pedro Vicente é um homem sem qualidades. Para se esquecer das décadas de fracassos de sua vida real, resolveu passar parte do seu dia jogando. Iniciado nos games por Adventures e JRPGs, hoje em dia joga de tudo. Gosta muito de escrever sobre jogos, mas só dá nota 10 para games em que você pode dar Suplex em um trem.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook