Jogamos

Análise: The Walking Dead: Episode 4 - Around Every Corner (XBLA)

Pegando (quase) todo mundo de surpresa, foi lançado na semana passada o mais recente episódio de The Walking Dead . O quarto e penúltimo epi... (por Jardeson Barbosa em 17/10/2012, via Xbox Blast)

Pegando (quase) todo mundo de surpresa, foi lançado na semana passada o mais recente episódio de The Walking Dead. O quarto e penúltimo episódio desta temporada foi lançado em tempo recorde: pouco mais de um mês após o anterior. Em Around Every Corner, Lee e seu grupo de sobreviventes tentará a sorte em um plano maluco que envolve fugir do apocalipse zumbi em um barco. Recomendamos fortemente que você leia as análises dos episódios anteriores, A New Day, Starved for Help e Long Road Ahead. Caso já o tenha feito, prepare-se para um episódio dramático que põe uma pedra sobre muitos fantasmas do passado.

O começo do fim

Após o catastrófico desfecho de Long Road Ahead, os sobreviventes restantes chegam à Savannah, cidade em que os pais da pequena Clementine estavam quando o apocalipse zumbi teve início.


Pegando o gancho dado no episódio anterior, o grupo agora sofre a ameaça de um homem misterioso que esteve conversando com Clementine pelo walkie-talkie o tempo todo sem que ninguém soubesse. No entanto, o foco principal do episódio é a fuga desesperada dos sobreviventes restantes, algo que pode destruir os sonhos e esperanças da pequena garota.

O principal problema é que, como já era de se imaginar, as coisas não acontecem como o previsto. A cidade está um caos semelhante ao resto do mundo e, para piorar, está sendo guardada por um outro grupo de sobreviventes que não quer a presença de estrangeiros. Completando a crise, os conflitos internos do nosso grupo chegam ao ápice quando toda as verdades vêm a tona.

De volta às raízes do gênero adventure

Around Every Corner é o episódio que mais respeita o gênero adventure até o momento. O jogo é recheado de puzzles e diálogos como um bom adventure dos anos 1990, mas é, até o momento, um dos mais orientados à ação, o que resulta em um conjunto de mecânicas bem interessantes.



Porém, nem tudo são flores. Essa volta às raízes proporcionou um episódio bem mais lento que o normal, com uma evolução, de certa forma, um pouco chata. Não se preocupe, a história ainda está em um nível acima da média, mas em vários momentos você poderá desejar pular algum puzzle só para voltar para a parte que interessa.

Além disso, a história é desenvolvida a banho-maria desta vez. A explicação mais convincente é a de que este episódio existe apenas para preparar terreno para o grande final.

As escolhas realmente importam

Lembram de que foi dito nas análises anteriores que as escolhas eram apenas uma ilusão? Bem, esqueça! O quarto episódio de The Walking Dead prova que as escolhas realmente importam. Todas elas.

Neste episódio são construídas as pontas para o fim da temporada, que deverá ocorrer entre novembro e dezembro, e, por isso mesmo, todas as escolhas feitas ao longo dos episódios anteriores são levadas em consideração em momentos cruciais. Falou torto com aquele personagem? Escolheu mentir naquela parte inocente? É hora de descobrir o quanto isso afetou sua relação com os demais sobreviventes.



Além disso, este episódio é recheado de escolhas que independem dos episódios anteriores e que, mesmo assim, modificam drasticamente a sua conclusão. São personagens importantes que podem morrer ou sobreviver, dependendo das suas escolhas, e, em alguns casos, você nem se dará conta de que fez a escolha certa (ou errada, dependendo do ponto de vista).

Esse último parágrafo merece uma consideração à parte. Around Every Corner é um episódio dramático, como todos os outros a partir do segundo. Os laços entre os personagens já estão completamente formados e você já deve ter em mente quais deles você quer que estejam ao seu lado no final. A parte boa? Você terá essa escolha. Isso mesmo! Around Every Corner te dará essa opção de julgar os passos dados, de analisar a importância que aquele personagem teve para você e como aquele outro foi um imprestável. Claro que todas essas escolhas são feitas de forma subjetiva, mas é interessante notar que ali é a sua história, e que aquelas são as suas reações diante daquelas situações. É lhe dado o direito de reagir da mesma forma que você reagiria na vida real, e isso é fantástico.

No fim, os mortos sempre vencem

Se ainda existia alguém que não havia compreendido completamente o universo de The Walking Dead, certamente não existe mais... ou pelo menos não deveria mais existir. Around Every Corner consegue superar Long Road Ahead nos momentos de emoção. O jogo choca do primeiro minuto ao último. Ah, os últimos minutos! Por se tratar do penúltimo episódio, muitas cenas fortes são deixadas para o fim, que abre um espaço para o quinto episódio de forma majestosa.



Mais uma vez a Telltale Games provou que não subestima a inteligência do jogador (apesar de algumas pontas soltas aqui e ali) e nos dá sucessivos tapas na cara – de forma figurada, claro.

Nos resta torcer agora para que os desenvolvedores não deixem a peteca cair e mantenham o nível no último episódio, fechando a temporada com chave de outro.

Problemas técnicos que não importam mais

O penúltimo episódio de The Walking Dead não é perfeito. Ainda existem muitas inconsistências nos gráficos e na jogabilidade. Durante as duas vezes que completei o episódio, nenhum bug comprometedor foi notado, apenas os personagens que ainda caminham de forma esquisita e as paredes invisíveis que ainda enchem o saco. Porém, é bom avisar que foi relatada, por alguns jogadores, a existência de um bug que impede que os arquivos de save contendo o progresso dos episódios anteriores sejam reconhecidos. Nesse caso, todas as escolhas dos episódios anteriores serão dadas como aleatórias. O problema atinge, principalmente, os usuários de PlayStation 3 e já está sendo corrigido.

Com exceção do problema com os arquivos de save, esses pequenos problemas não estragam o jogo de forma alguma. Apesar de irritantes, os problemas técnicos podem passar completamente despercebidos neste episódio graças à imersão.




O único problema real de Around Every Corner é a falta de foco. Este episódio é bem mais cansativo que os anteriores, uma vez que a trama se desenrola de forma lenta e se perde em situações banais. Dentro da falta de foco, é possível destacar, ainda, a imensidão de pontas soltas, algo incomum nos episódios anteriores. Os jogadores mais atentos perceberão a quantidade de detalhes que foram bruscamente omitidos (ou esquecidos) e a falta de consideração com alguns personagens, que simplesmente somem sem que os demais percebam a sua ausência.

Porém, The Walking Dead: Episode 4 é um jogo extremamente recomendado, para todo mundo. Ainda temos situações que não são comumente exploradas pelos videogames, clichês convertidos em momentos interessantes, plot twists de cair o queixo e uma história que merece o título de melhor do ano. Este episódio pode não ter sido tão impressionante como os anteriores, mas cumpre bem o papel de elevar a ansiedade para o fim da temporada.



Assim como os episódios anteriores, o Episódio 4 não está disponível na Live Brasileira. No momento, a única forma de adquirir o jogo, que custa 400 MS Points, é utilizando uma conta norte-americana. Lembre-se que o episódio é vendido como add-on, ou seja, necessita de todos os três episódios anteriores.

Prós

  • As escolhas finalmente têm efeito real na história;
  • Muitos puzzles para os fãs de adventure;
  • Uma história emocionante que não tem medo de arriscar.

Contras

  • Infelizmente, nem todos os problemas técnicos foram corrigidos;
  • A primeira parte do episódio é monótona.
The Walking Dead: Episode 4 Xbox Live Arcade – Nota: 8.0
Visual: 8.5 | Som: 9.5 | Jogabilidade: 8.0 | Diversão: 9.0
Revisão: Vitor Tibério
Jardeson Barbosa escreve para o Xbox Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook