Game Music

Game Music: As músicas de jogos favoritas da equipe GameBlast - Parte 3

Do rock à música orquestrada, a equipe do GameBlast vem citando suas preferências no que diz respeito a músicas de jogos, relembrando jogo... (por João Pedro Meireles em 23/11/2012, via Xbox Blast)

Do rock à música orquestrada, a equipe do GameBlast vem citando suas preferências no que diz respeito a músicas de jogos, relembrando jogos clássicos e suas igualmente memoráveis trilhas sonoras, ou apresentando games novos que já deixaram sua marca. Muitas músicas incríveis passaram por aqui, e muitas outras vão deixar de passar, pois chegamos agora à terceira e última parte desse Game Music especial. Continue lendo e, é claro, ligue suas caixas de som!

Mother I’m here (Bastion)

Como todos meus colegas têm comentado, é muito complicado encontrar uma única música favorita de jogos dentre todas as existentes. Algumas me marcaram mais devido aos jogos a que pertencem, em especial pela nostalgia dos mesmos. Minha escolha, entretanto, é de um jogo relativamente novo, mas que certamente será lembrado daqui há alguns anos por mim: Bastion.


Mother I’m Here, cantada e escrita por Darren Korb, é de certa forma a própria imagem deste jogo épico: simplicidade e um toque artístico. Com uma melodia simples e sem firulas, a música passa uma sensação única de melancolia com certa dose de esperança, fazendo que, mesmo quem não jogou o game, seja capaz de se emocionar em ouvi-la. Mas o mais importante é o momento em que ela é tocada (vou evitar spoilers). Ao escolher um determinado final, uma das cenas mais épicas e belas do jogo (na minha opinião uma das mais bonitas da história dos games) é passada enquanto essa música é tocada. E é essa combinação de tirar o fôlego, e emocionar, que faz com que essa seja minha música favorita.

João Pedro Meireles – Redator do Xbox Blast

Big Blue (F-Zero X)

É bastante comum encontrarmos Trilhas Sonoras memoráveis em jogos de corrida. Isso não é exceção em F-Zero X, game de Nintendo 64 que fez parte não só da minha infância, mas acredito que esteve presente também na meninice de muitos jogadores amantes da franquia. Era demais acelerar as naves a mais de 1200 Km/h. Existem muitas músicas legais no jogo, mas uma em particular chama bastante atenção, trata-se da música tema da pista Big Blue!


Cheia de teclados e solos de guitarra, esta faixa resume o que era jogar F-Zero X, ou seja, acelerar sem ter medo de levantar pleno voo no meio da pista, ainda mais na fase em questão, na qual boa parte de seu percurso trata-se de um cilindro gigante! Devido a estas características positivas (o puro e simples Rock n' Roll, Hell Yeah), esta acabou se transformando em uma das minhas melodias prediletas, ainda mais quando se trata de músicas “videogamísticas”.

Leonardo Nazareth – Revisor do Xbox Blast

Fate of the Unknown (Kingdom Hearts)

Como amante de game music que sou, eu já tinha a plena consciência de que escolher uma trilha favorita seria uma tarefa árdua. Porém, mesmo com diversos títulos em mente, como The Legend of Zelda e Metal Gear, uma série em especial sempre me marcou com suas composições únicas e inesquecíveis: Kingdom Hearts. O peculiar crossover entre Square Enix e Disney é, em minha singela opinião, uma verdadeira obra-prima dos games e sua trilha sonora é um de seus maiores trunfos. A genial compositora Yoko Shimomura conseguiu captar a essência da saga e acabou por dar alma às histórias de Sora, Roxas e tantos outros personagens. Com toda certeza, não veríamos Kingdom Hearts do mesmo jeito se não fossem pelas obras de Shimomura.


Mas, agora eu tinha outra missão ainda mais complicada: escolher uma entre as tantas músicas marcantes da franquia. Servido de pérolas como Dearly Beloved, Spooks of Halloween Town, The Encounter, A Fight to the Death e Vector to the Heavens, escolhi uma música que na realidade não é tocada in-game, mas sim, em um dos vídeos secretos mais legais da série. A composição em questão é Fate of the Unknown, que marca a primeira aparição dos heróis, até então desconhecidos, Terra, Aqua e Ven. Perdi a conta de quantas vezes assisti a esse vídeo, em maior parte por causa da trilha. Ela se encaixa perfeitamente com o que se passa no trailer, tornando os momentos de conflito e tensão ainda mais poderosos. Simplesmente épica.

Henrique Melo – Newsposter do GameBlast

National Park (Pokémon Silver/Gold/Crystal)


Quando eu era moleque, certo dia voltando da escola, eu fui atropelado por uma moto e quebrei a perna e, por esse motivo, fiquei muito tempo sem poder andar. Um colega meu, que tinha acabado de voltar dos EUA, trouxe uma versão gold do Pokémon bem na época do lançamento e me emprestou. Como as crianças brincavam muito nas ruas e eu, infelizmente, não podia, eu passava meu tempo jogando videogames,  revezando entre um snes , n64 e o gameboy. A musica em questão me faz lembrar dessa época de dificuldades, mas sempre passando um sentimento de conforto.


Até hoje, quando estou jogando, sempre que passo no National Park, paro para ouvir a musica toda, seja nas versões antigas ou nos remakes. A melodia calma, criando um clima de tranquilidade no parque, parece que foi feita para aqueles que, depois de muitas batalhas, necessitam de um descanso (ainda mais depois da Whitiney e seu milktank). A qualidade das musicas nos jogos de pokémon são absurdas para o hardware lançados nos anos 90. Até hoje não sei como conseguiram tirar todo esse potencial do Game Boy, e vou lembrar com muito carinho desse jogo e da música. Ah, e o cartucho? Meu amigo acabou me dando e até hoje eu o tenho aqui guardado comigo.

Daniel Machado - Designer do GameBlast

Stickerbrush Symphony  (Donkey Kong 2)


Serei muito clichê por dizer que minha música preferida é Stickerbrush Symphony? Provavelmente, sim, pois é uma das canções prediletas de grande parte dos jogadores. Mas tanta adoração tem uma explicação. Dentre todas as trilhas sonoras de videogames, jamais encontrei um arranjo tão melódico, denso e profundo como Stickerbrush Symphony. A composição é obra do renomado David Wise, compositor da Rare (conhecida por suas belas trilhas). Outros ex-artistas da empresa (como Robin Beanland e Grant Kirkhope) só participaram do remix não oficial das canções de Donkey Kong Country 2, entitulado Serious Monkey Business. Outra versão foi criada para a versão de GBA do jogo, assim como mais uma para Super Smash Bros. Brawl (Wii), que, ao meu ver, não capturou a essência da música.


Diferentemente das canções do primeiro Country, Stickerbrush Symphony é o suprassumo da proposta mais séria dessa sequência. A música é conhecida por tocar no estágio Bramble Blast (embora também possa ser ouvida em Screench’s Spirit, um dos estágios do último mundo do jogo). Talvez o que tenha me feito viciar tanto em Stickerbrush seja o fato de ter decorado cada uma de suas notas de tanto que morri em Bramble Blast. Sério, só uma música tranquila como essa para me fazer não jogar o controle na parede! E o mais incrível é saber que ela por pouco não fez parte da trilha do jogo. Simplesmente nostálgico ouvi-la de novo... e de novo e de novo e de novo...


Rafael Neves – Diretor Geral de Publicações, Revisor e Redator do GameBlast

Prologue (Castlevania: Symphony of the Night)

Poucos são os jogos que podemos, em nossa subjetividade, considerar épicos. E quando penso em retirar de um deles uma faixa de sua trilha sonora, é até angustiante. Ainda mais se eu lhe disser que minha game music favorita se encontra no clássico Castlevania: Symphony of the Night. Composta majoritariamente pela célebre Michiru Yamane, a trilha sonora de SOTN é talvez um dos mais belos trabalhos da autora, de modo que fica até difícil eleger a “favorita”.


A escolha por Prologue se dá, talvez, por anteceder um dos momentos mais emocionantes do game — quem consegue esquecer a célebre frase do Drácula para Richard? ("What is a man? A miserable little pile of secrets). Entranto, menções honrosas para as faixas Dance of Gold, Festival of Servants e Crystal Teardrops são mais do que necessárias. Pra falar a verdade, à trilha sonora como um todo é digna de menção honrosa.

Ighor Fagundes - Newsposter do Gameblast e Moderador do Fórum do Xbox Blast


Indigo Plateau (Pokémon Gold/Silver)

Pokémon sempre teve, e sempre terá, um espaço reservado em meu coração. Talvez seja difícil explicar para quem nunca jogou algum jogo da série o fascínio que pode exercer a história de um menino que sai de casa disposto a coletar oito insígnias, e catalogar todos os monstrinhos existentes no mundo, mas acredito que este tema passa o sentimento de que todos nós temos potencial de sobra para superar qualquer desafio, não importando quão grande e complexo ele é.


A música que eu escolhi é o tema do "Indigo Plateau" nas versões Gold & Silver. Ao escutá-la, é impossível não lembrar dos diversos obstáculos enfrentados durante toda a jornada até a E4. No entanto, tensa na medida certa, é como se a música avisasse ao jogador que o maior de todos os desafios ainda está por vir. Até hoje, poucos temas possuem o poder de fomentar medo e coragem na mesma proporção, mas, como dito lá em cima, todos nós temos potencial de sobra para superar qualquer desafio. Basta querer.

 Alan Murilo - Newsposter no Nintendo Blast e Revisor no PlayStation Blast.

Theme (Left 4 Dead)

Minha história com Left 4 Dead vem de longa data, da época em que tudo o que eu tinha para ocupar minhas horas vagas era um PC razoável. Eu era sedento por jogos de horror e logo me apaixonei pela série Resident Evil. Quando Left 4 Dead foi anunciado, minhas expectativas a respeito do game eram muito altas. E a Valve não me decepcionou nem um pouco com todo aquele frenesi envolvendo até quatro jogadores lutando para sobreviver. Mas antes mesmo de entrar neste mundo destruído, antes de fazer qualquer movimento com o mouse, algo me chamou a atenção, causando um frio na espinha que só passaria depois de ouvir tudo o que aquela música tinha para me passar.


O tema de abertura de Left 4 Dead me causou um impacto tremendo não só por transmitir todas as sensações que os desolados sobreviventes estariam tendo enquanto passavam por aqueles cenários de total destruição entupidos de zumbis, mas por combinar perfeitamente com a atmosfera do game e me fazer pensar duas vezes antes de iniciar o jogo. Mesmo com uma melodia relativamente simples, as notas dissonantes e os acordes inesperadamente estranhos à harmonia me fizeram repensar tudo o que eu tinha aprendido até então. Além disso, partes da melodia e harmonia são utilizadas em diversos outros momentos do game, como nos momentos de maior tensão e nos temas de seus maiores inimigos, conhecidos como Tank e Witch. O tema de Left 4 Dead me interessou e intrigou de tal maneira que, mais tarde, acabei desenvolvendo um arranjo para piano e órgão com a música.

Thiago Pires - Redator do Xbox Blast

Canção do Povo  (Grandia II)


Apesar de ser fã absoluto de todo e qualquer trabalho de Nobuo Uematsu, acho que a canção mais marcante da minha vida é a Canção do Povo de Grandia II. Composta pelo grande Noriyuki Iwadare (que também atuou em outras trilhas marcantes, como a da série Langrisser, de grande sucesso no Japão), a composição é um emocionante desfecho para a trama do JRPG, que conseguiu a difícil missão de suceder um dos games mais legais já criados.


Como deu para perceber pelo nome, a canção é totalmente em português, embora pareça mais uma disposição de palavras e expressões sem sentido. Fato é que essas expressões tem significado se conjugadas com a trama central de Grandia II. Destaque também para a performance vocal de Kaori Kawasumi, que também cantou a música tema de Radiata Stories, RPG da Tri-Ace lançado para o PlayStation 2.
Gustavo Assumpção - Diagramador, redator e newsposter do GameBlast

Stage 1 (Shinobi)

Depois de muito pensar sobre vários jogos que marcaram minha vida, cheguei a conclusão de que nenhum jogo me marcou mais que “Shinobi”. Como muitas crianças brasileiras nascidas em 1988, eu também ganhei um Master System logo que nasci. Ele vinha com o “Alexx Kidd In The Miracle World” incluído, mas somente com o “Shinobi” que comecei mesmo a gostar de videogame. 


Escolhi a música da Fase 1 do jogo por que essa é a que mais me lembro de jogar já que o jogo não tem saves, toda vez recomeçava do zero. Esse ano, quando estava sendo anunciado para download “Shinobi G.G.” de Game Gear para o 3DS, resolvi relembrar o jogo, comprando um Master System novo com jogos na memória e devo dizer, que mesmo com 130 e poucos jogos na memória, o único que me emocionou foi “Shinobi” e só de ouvir a música denovo, já relembrei toda minha infância. Mesmo hoje em dia com todos esses jogos com trilhas cinematográficas, pra mim poucos superam o 8 bits cru de “Shinobi”. Grande jogo, ótima música e diversão eterna.

Yuri Vieitas – Editor do GameBlast
E agora? Após o término do especial, quais músicas faltaram pra você? Aprova a escolha de nossa equipe? Não deixe de comentar!
Revisão: Vitor Tibério
João Pedro Meireles é graduando em Engenharia de Computação na UFRGS. Viciado em jogos, em especial Mobas e RTS, passou boa parte da vida jogando-os e pesquisando sobre aqueles que não teve tempo de jogar, o que o levou a virar redator do Xbox Blast.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook