Analógico

Windows 10 e DirectX 12, a carta na manga do Xbox One

A atualização do Windows 10 trouxe o DirectX 12, uma reformulação da API que promete melhorar o desempenho do console e deixá-lo equiparável a concorrência.


Lançado em novembro de 2013, o Xbox One foi dotado de muitas e severas críticas, tanto fora da parte técnica, como os problemas de marketing e limitações impostas pela Microsoft (exemplo do bloqueio DRM de discos), quando dentro dela, com um desempenho gráfico inferior ao esperado. Tudo isso gerou um atraso ao Xbox One em relação ao seu concorrente, o PlayStation 4, esse saindo na frente excepcionalmente pelos erros cometidos no lançamento da “caixa”. Foram anos difíceis para o console, mas que a Microsoft pretende esquecê-los. Cortes de preços para deixar o produto mais acessíveis e competitivo, lançamentos consecutivos de grandes exclusivos, novos bundles atraindo jogadores que buscam bons preços pelo o que procura, e a cereja do bolo, a atualização para o Windows 10 trazendo conjuntamente a nova versão da famosa API para jogos, o DirectX 12. Mas no que isso beneficia o Xbox One? Até onde vão as melhorias propostas? Vai superar o PlayStation 4?

Atalhos operacionais

Você pode não saber o que são e como funcionam, mas as APIs fazem parte do seu cotidiano. Elas atuam de modo sutil e natural, integrando os sites que visita, os aplicativos que usa, os games que joga. Modificam a informação que chega até você, apresentam software acima de software, possibilitam a comunicação entre programas, e alteram o desempenho da sua máquina através do hardware disponível. Calma! APIs não são potentes vírus de computadores, ao contrário, é aquilo que faz eles funcionarem tão bem como pretende e deve ser.
O aplicativo Runtastic usa a API do Google Maps para exibir o trajeto percorrido
API, Application Programming Interface, é uma ponte que liga um programa a outros, para que esses tirem proveito de dados ou funcionalidades que o original possui. A aplicação desta “interface” é vista na construção de sites (ao verificar sua localização em um site qualquer que mostra uma pequena tela para o Google Maps), na construção de programas (quando este exibe simplesmente um relógio obtido a partir do acesso ao sistema), ou ainda nos jogos (melhorando o desempenho do computador o quanto for necessário através da comunicação que chega ao hardware, porém não de maneira direta).

A comunicação entre sistema e programa, dois softwares, também ocorre por meio de APIs, elas facilitam o processo, o torna mais seguro para o usuário, e mais simples para o programador. Ao invés de desenvolver um sistema de conversão de medidas, por que não facilitar tudo e implantar o uso de uma API no programa para que acesse o serviço de um outro produto que já o oferece? O programador poupa tempo, entrega o projeto mais cedo, e ainda garante o uso do recurso com uma API eficaz tendo uma menor possibilidade bugs.

Na esfera dos games, há o pacote DirectX, um conjunto de APIs que buscam melhorar a experiência de jogo, além de oferecer às desenvolvedoras mais possibilidades para projetos maiores graças a melhorias de desempenho e novas funções propostas com a API. A atualização para o Windows 10 trouxe uma novidade, o DirectX 12, muitas são as melhorias prometidas, especialmente para o Xbox One, já que seu hardware não pode ser alterado. A busca do desempenho máximo com o mínimo de recursos já começou.

Um boost merecido

Ao contrário do que se pode imaginar, a atuação do DirectX em um sistema é proporcionando a comunicação entre um software de alto nível (um jogo) com um de baixo nível (o driver do hardware). A API vai obter os dados do jogo, quais suas necessidades para que rode bem, passando para o driver do hardware, que o recebe em uma linguagem entendível para si, esse traduz em comandos e assim encaminha para a placa de vídeo e processador.

O DirectX 12 quer tornar este caminho ainda mais ágil e com uma resposta mais eficiente. Aproveitar tudo que o hardware oferece. Como fará isso? O plano da Microsoft com o Xbox One é mais complexo por não permitir tantas alterações como no PC. É usufruir melhor o que já tem, porque é o que tem. O console não pode mais ficar tão distante do PlayStation 4 no desempenho gráfico, assim o que é preciso é acompanhá-lo.


Um recurso já presente no aparelho da Sony e que chega ao Xbox é o Async Shaders (usado em Infamous: Second Son), o que permite um melhor efeito pós-processamento, garantindo mais algumas dezenas de FPS durante a experiência de jogo. O que acontece é o cálculo simultâneo de vários pacotes de gráficos pela CPU, diminuindo o tempo de espera do hardware para processá-los, e aumentando a fluidez da jogatina. Com o DirectX 11, a ação ocorria por etapas, cada gráfico de uma vez, e isso não parece mais tão vantajoso.

O Xbox foi feito para rodar o DirectX desde o início, tanto que quase se chamou DirectX Box, porém nem sempre o console e a API tiveram bons momentos, pelo menos na visão dos desenvolvedores. O DirectX 11 foi vítima de várias críticas no Xbox One, pois ele não liberava o poder que o console poderia oferecer. Para corrigir os erros e limitações do passado, o DirectX 12 traz outra novidade que deveria ter sido implantada desde o lançamento do console, melhorar o uso da eSRAM. A eSRAM é uma parte especial da memória RAM que somente a GPU tem acesso. A Microsoft optou usar esta unidade em conjunto com uma DDR3 NdR ao invés de uma memória GDDR5 (o que o PS4 usa), o resultado inicialmente não foi bom, os desenvolvedores rejeitaram a ideia por achar complexo o acesso.

O afirmado é que com a atualização, a eSRAM seja usada com maior naturalidade, o que seria ótimo para Xbox One. São pequenos 32 MB com a capacidade carregar até 6 GBs em texturas com velocidade até 10x mais rápida que o padrão. Um exemplo citado durante a BUILD 2014, evento da Microsoft para desenvolvedores, é que em um jogo de carro, a memória padrão pode tomar conta do processamento de elementos do ambiente, como o céu, algo mais estático, enquanto a poderosa eSRAM será responsável por atualizar velozmente as texturas dos carros, chegando assim aos desejados 1080p a 60 FPS.

O DirectX não é uma única API e não é dedicada somente aos jogos graficamente, tarefa atribuída ao Direct3D, uma parte do pacote de várias APIs que são responsáveis na melhoria do desempenho do áudio que escuta (DirectShow), da internet que usa (DirectPlay), dos acessórios que conecta (DirectInput), e dos filmes que vê (DirectX Video Acceleration), e há muitas outras funções. Nesta atualização do Windows 10, Phil Spencer, chefe da divisão Xbox, revelou outro uso, atribuir agilidade à nova dashboard.


A utilização tão rápida e fluída da nova interface estava entre os maiores objetivos que a equipe de desenvolvimento queria oferecer, o que é possível ver que deu certo, pois é a velocidade da UI está como um dos pontos mais elogiados pelos usuários nesta atualização do Windows 10. Dever cumprido.

É o que temos para hoje? Nada!

O DirectX 12 com certeza representa uma grande evolução no mundo das APIs, tantos nos computadores como no Xbox One, mas do que serve tantas melhorias se não podemos percebê-las? Todos os jogos do console, até o momento, foram construídos a partir do DirectX 11, nem mesmos os grandes lançamentos, como Halo 5 e Forza 6, usam a nova versão da API, possivelmente a Microsoft quis evitar bugs de compatibilidade, compreensível. Diante das melhorias já disponíveis, é cabível que estes jogos recebam atualizações para se enquadrarem ao DirectX 12.



No próximo ano, a Microsoft agendou mais lançamentos de títulos AAA que têm posto peso para o Xbox One na decisão de qual console investir. Quantum Break tem uma ótima proposta de jogabilidade com grandes cenários de complexidade gráfica envolvente. Crackdown 3 usará a nuvem para impulsionar a sua beleza e trazer uma experiência nunca vista antes. Com certeza esses títulos chegarão dando o melhor de si com o uso do DirectX 12. 
Enquanto uns se animam bastante com a atualização da API, outros ficam indiferentes, como o Damien Monnier, senior game designer da CD Projekt RED (desenvolvedora da série The Witcher), que sugeriu que a atualização não será o suficiente para resolver o problema de resolução do Xbox One em alguns jogos. Enquanto isso, Brad Wardell, CEO da Stardock, é bastante otimista com o DirectX 12, que, por ter desenvolvido um jogo com a nova API, afirma que o resultado é “espetacular”, em suas palavras, pois enquanto há uma briga interna nas empresas de placa de vídeo, sempre tentando lançar uma superior a outra, com a atualização é possível dobrar o rendimento com o mesmo hardware.

Resultados em breve

A atualização do Windows 10 certamente mudou o Xbox One, com alguns usuários falando alegremente que tiveram seus consoles reformados após a instalação, muitas alterações e melhorias foram feitas. Visivelmente você vê uma dashboard de scroll vertical, acesso mais fácil às tarefas populares, como verificar a lista de amigos online, aplicativos novos, Cortana, e uma Loja bastante diferente. O DirectX 12 prova que tudo isso não é em vão, e tem mais por vir. Agilidade é a palavra-chave. O que você ver é uma interface interativa, o que há por trás são APIs que talvez nem tenha ideia do que estejam fazendo, mas sabe, elas estão lá e exercem grande influência no que fazem.


DirectX no PC, no notebook, no tablet, no celular, no HoloLens, no Xbox One. Mais por menos. Testes foram feitos e comprovam, a atualização é uma renovação do ramo gráfico. Mas vai superar o PlayStation 4? Os mais entusiastas podem afirmar que sim, mas o futuro ainda é incerto (no momento não há jogos que usam o DirectX 12 no Xbox One, então sem conclusões), o foco da atualização é deixá-lo com um desempenho semelhante, porém talvez supere em alguns casos. É importante lembrar que o PS4 usa o OpenGL e uma atualização dele (Vulkan) também pode estar por vir para o aparelho.

A Microsoft parece estar trilhando um novo caminho, arriscando-se com a proposta de oferecer seu mais precioso produto, o Windows, gratuitamente, e demonstrando que realmente está se transformando em uma outra empresa. O Xbox One busca sua renovação e liderança e o Windows 10 está vindo para complementar a mudança pela qual a plataforma passa. Resta aguardar para saber se tudo valeu a pena. Por enquanto ficamos no aguardo de mais resultados que nos tragam mais informações não somente sobre o futuro do console, mas o futuro dos games.
Janderson Oliveira ainda não chegou ao patamar de universitário por estar no Ensino Médio, entrou no Xbox Blast com o intuito de unir o que aprendeu em sala com o que andou jogando enquanto deveria estudar para Química. Tem Facebook caso queiram catalogar a espécie.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook