Jogamos

Análise: Birds of Steel (X360)

A Segunda Guerra Mundial foi palco das batalhas mais sangrentas e intensas da história humana, quer em terra ou no ar. Muitos jogos já te... (por Fellipe Mariano em 20/12/2012, via Xbox Blast)

A Segunda Guerra Mundial foi palco das batalhas mais sangrentas e intensas da história humana, quer em terra ou no ar. Muitos jogos já tentaram passar ao jogador a sensação de fazer parte desses conflitos, mas nem todos foram bem sucedidos. E é seguindo essa temática que a Gaijin Entertainment produziu Birds of Steel, um simulador de combate aéreo ambientado nos principais fronts da Segunda Guerra. Utilizando um tema vastamente explorado e com um público alvo bem exigente, será que Birds of Steel consegue repassar a emoção dessa grande guerra, ou ele é apenas mais um dos inúmeros títulos do gênero e logo será esquecido?


Escolha o seu lado



Porto de Malta - um dos cenários do jogo
  Não importam as intenções ou o desfecho da guerra, ambos os lados tiveram seus heróis e o jogo lhe permite conhecer um pouco mais sobre eles. Entre os diversos modos de jogo, Birds of Steel apresenta um modo chamado “Campanha Histórica” onde é possível reviver episódios reais da batalha aérea do Pacífico, tanto pelo lado dos Aliados, como pelos olhos das potências do Eixo. É possível, por exemplo, participar do ataque à base naval de Pearl Harbor, tanto como um bombardeiro japonês ou como um caça americano. Além de recriar essas batalhas de forma bem precisa, o jogo também recheia os jogadores com dezenas de vídeos reais desses combates, além de contar a história de cada missão através de um mini-documentário que é exibido durante o carregamento de cada fase do jogo.

A batalha de Wake Islands
Para recriar esses locais, Birds of Steel utiliza fotografias aeroespaciais dos locais reais e com base em dados históricos recria a posição exata de cada bateria de artilharia, cada navio e cada pista de pouso. O resultado final é um ambiente extremamente vasto e dinâmico, que algumas vezes impressiona pela complexidade. Além disso, a escala do combate assusta de tão grande, sendo possível ver dezenas de aeronaves se digladiando pelos céus.

Reescrevendo a história



Aviões japoneses atacam Pearl Harbor
 Além de participar de episódios históricos, é possível participar também de versões alternativas de batalhas, podendo-se mudar o rumo dos eventos. Voltando a citar Pearl Harbor, é possível reencenar o histórico ataque, mas alterando seu desfecho, fazendo os EUA evitarem a perda da base naval. Além disso, esse mesmo modo permite jogar diversas missões sucessivas com objetivos bem diversos como: bombardeio a alvos móveis (por exemplo, tanques), bombardeios em artilharia e outros alvos estáticos, interceptação de outros aviões, combate aéreo, defesa de base, defesa de aeronaves aliadas, bombardeios em navios inimigos etc. Essas diferentes opções oferecem um bom conteúdo e garantem bastante diversidade, mesmo jogando a mesma campanha repetidamente.

Manches, contadores e um pouco de sorte



Cockpits detalhados são um dos charmes do jogo
 Uma das maiores proezas de Birds of Steel é conseguir trazer para cada uma das aeronaves uma jogabilidade diferente. Aviões caças se comportam totalmente diferente um dos outros, bombardeiros possuem sua própria maneira de pilotar e até mesmo hidroplanadores, uma das gratas surpresas do jogo, se mostram bastante peculiares em suas características e dirigibilidade. Essas diferenças em cada aeronave, aliadas com uma física extremamente realista, tornam a experiência de pilotar em algo prazeroso e recompensador. Levantar voo com um bombardeiro pesado, por exemplo, é uma tarefa que exige habilidade e paciência, mas que produz bastante satisfação quando é realizada com perfeição.

Na parte de comandos e botões o jogo também se mostra bastante versátil, possuindo diversas pré-configurações que se adéquam a quase qualquer tipo de jogador, mas permitindo também mapear individualmente cada um dos comandos do avião, algo quase obrigatório para qualquer bom simulador.
Ainda dentro desse aspecto, antes de iniciar cada missão podemos selecionar um dos três níveis de simulação: simplificada, realista e simulação, cada um aumentando o nível de realismo da física e dos comandos. No modo simulação, por exemplo, não temos HUD e nenhum sistema de auxilio de estabilidade para a aeronave, o que nos força a utilizar a visão do cockpit e observar os medidores do avião.


Comandando sua esquadrilha



A física afeta até mesmo a trajetória dos disparos
 Birds of Steel possui diversos modos online, tanto competitivos como cooperativos. Podem-se reunir até outros três jogadores para jogar as missões individuais ou campanhas paralelas ou então se juntar a outros 15 jogadores e participar de combates aéreos. Basicamente qualquer missão ou objetivo do jogo pode ser jogado cooperativamente ou competitivamente, com diferentes equipes assumindo os dois lados da batalha. Ao terminar cada partida online ou missão da campanha, recebemos pontos de experiência que garantem novas patentes e com elas novas aeronaves.

Um dos problemas dos modos online é a dificuldade em encontrar outros jogadores, além disso, muitas vezes o sistema desconecta o jogador sem nenhum motivo aparente. Outra deficiência do jogo é a não inclusão de um multiplayer local, o que o deixa restrito apenas a jogar com seus amigos da Xbox Live. A experiência geral do multiplayer poderia ser bem melhor caso um sistema eficiente de matchmaking fosse utilizado e caso um número maior de pessoas jogasse online.


Seu hangar pessoal


P-51D Mustang em toda a sua glória
Além dos cenários e missões recriados fielmente, Birds of Steel também conta com uma vasta gama de aeronaves reais, recriadas fielmente em suas características, controles, física e armamentos. É possível jogar com aviões clássicos como o P-51D Mustang e até mesmo aeronaves experimentais da Alemanha nazista como o Messerschmitt Me 262 e Messerschmitt Ме 163 Komet. Ao total, o jogo conta com mais de 100 aeronaves, de diversos países como URSS, Grã-Bretanha, EUA, Japão, Alemanha, Itália e Austrália. Essas aeronaves também podem ser personalizadas com skins e pinturas alternativas, dando um toque um pouco mais pessoal a elas.

Messerschmitt Ме 163 Komet
Para poder utilizar cada um desses aviões fora da campanha histórica é necessário utilizar War Points, que podem ser adquiridos nas partidas do modo versus ou jogando as campanhas alternativas. Além disso, cada aeronave disponível para compra necessita de uma determinada patente para ser desbloqueada, tornando o progresso no multiplayer algo quase obrigatório.


Vale ou não vale?


Birds of Steel é definitivamente um bom simulador de aviões, com dezenas de aeronaves, física realista, opções de controles, missões históricas e grande quantidade de conteúdo extra, porém não é um jogo para todos. Após algumas missões, pilotos menos entusiastas podem perder o interesse pelo jogo, mas para aqueles que gostam de aeromodelismo, ele tem muito para oferecer.  Compra certeira para os amantes de simulação aérea e Segunda Guerra Mundial.

Prós

- Dezenas de aeronaves
- Boa física - Missões reais
- Conteúdo diversificado

Contras

- Sistema de matchmaking falho
- Poucos jogadores online
- Necessidade de jogar online para desbloquear novas aeronaves

Birds of Steel – Xbox 360 – Nota final: 8.5
Gráficos: 8.0 | Som: 9.0 | Jogabilidade: 9.0 | Diversão: 7.0

Revisão: Bruno Nominato
Fellipe Mariano escreve para o Xbox Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook