Jogamos

Análise: Enfrente hordas de zumbis e lute por sua vida em Dead Rising 3 (XBO)

Aplocalipses zumbis já se tornaram recorrentes em jogos de videogame. Seja com autênticos jogos de terror como Resident Evil (PS) ou e... (por Gabriel Vlatkovic em 08/12/2013, via Xbox Blast)


Aplocalipses zumbis já se tornaram recorrentes em jogos de videogame. Seja com autênticos jogos de terror como Resident Evil (PS) ou experiências mais voltadas à comédia, como Dead Rising (X360). Esta segunda nunca chegou a encontrar um lugar ao sol. Com diversos problemas de jogabilidade e um sistema de tempo bastante inconveniente, a franquia cômica da Capcom nunca foi executada da forma que merece ser. Felizmente, isso acaba de mudar, com a chegada de Dead Rising 3, um dos mais divertidos títulos de lançamento do novíssimo Xbox One!


Cidade sitiada

Em Dead Rising 3, assumimos o controle de Nick Ramos, um mecânico muito talentoso que ao lado de seus amigos Rhonda e Dick, deverá enfrentar hordas intermináveis de zumbis para escapar de Los Perdidos, cidade baseada em Los Angeles que foi completamente dominada por mortos-vivos. Como se não bastasse, o rapaz deve correr contra o tempo, já que o governo planeja explodir a cidade para se livrar de uma vez por todas da ameaça biológica.

Nick e Annie, seu interesse amoroso
Em sua jornada, Nick encontrará diversos sobreviventes com histórias para contar que podem até mesmo se tornar seus aliados, o que é vital para certos momentos da aventura, que dura em média dez horas. Contudo, o rapaz também se deparará com pessoas nem tão amigáveis e até um pouco loucas, que desejarão matá-lo a todo custo sem motivo aparente. Dead Rising 3 é um jogo de mundo aberto, o que implica em uma série de colecionáveis espalhados pela cidade bem como muitos sidequests. Felizmente, boa parte destas atividades é realmente útil na medida em que Nick é recompensado com novas armas e equipamentos.

O personagem pode construir os mais insanos veículos!
Nos títulos anteriores da franquia, as missões geralmente vinham acompanhadas de inconvenientes contadores de tempo que limitavam a exploração de maneira extremamente frustrante. Em Dead Rising 3, a Capcom parece ter finalmente ouvido os jogadores e tratou de eliminar os contadores da aventura, mas não sem incorporar o tempo de alguma forma. De maneira muito menos invasiva, a desenvolvedora decidiu que o jogador deve conseguir completar a campanha antes que o governo destrua a cidade. Apesar de soar um pouco desesperador, não se preocupe, há tempo suficiente para cumprir a jornada, realizar missões paralelas e até mesmo buscar os colecionáveis espalhados por Los Perdidos e muitas vezes você mal se lembrará que está jogando algo com medidor de tempo.

A verdadeira definição de horda

O principal atrativo do título é facilmente a quantidade de zumbis na tela. Com uma quantidade absurda de mortos-vivos vindo em sua direção, não há como não ficar tenso com o jogo. E por muitos não digo dez ou quinze zumbis, e sim cem ou cento e cinquenta. O contador de mortes, já tradicional da série, nunca se viu crescer de forma tão rápida, sendo que em menos de uma hora de jogo você já terá eliminado mais de mil zumbis. É absurdo!

Acredite: você estará cercado desta forma o tempo todo!
E que graça teria confrontar uma horda de zumbis sem armas dignas para isso? A Capcom tratou de pensar nisso e disponibilizou centenas de armas por todos os cantos de Los Perdidos. De cones a armas de fogo, passando por bolinhas de golf e motores de carros, Nick possui um arsenal de dar inveja a qualquer um. Basicamente qualquer objeto ou veículo encontrado durante a jornada pode ser utilizado como arma, o que torna tudo mais divertido e faz com que o jogador use sua criatividade para derrotar os inimigos de maneiras extremamente engraçadas. Para completar, ainda é possível obter dezenas de projetos de novas armas de maneira que é possível unir dois objetos e transformá-los em itens letais. Para se ter uma ideia, com a combinação correta de objetos é possível criar um sabre de luz, luvas de boxe motorizadas e até uma metralhadora de brinquedos sexuais. Para completar a farra, Nick ainda pode se vestir com uma infinidade de trajes que variam do hilário ao absurdo. Espere só até o momento em que você estará vestido de cavaleiro medieval enquanto carrega um sabre de luz e você entenderá o potencial cômico deste jogo.

Nada como adicionar um pouco de loucura ao pacote!
Para completar a loucura, algumas missões opcionais implicam em derrotar certos psicopatas soltos pela cidade. Com um estilo nonsense à lá Quentin Tarantino, os vilões são completamente perturbados e possuem motivações completamente insanas que o farão sorrir de desespero e se sentir perdido em um mundo de loucos. Por sorte, qualquer ação desempenhada no título concede pontos de experiência a Nick, que podem ser trocados por uma infinidade de upgrades que realmente fazem diferença. De novas armas a melhoria de atributos físicos, tudo contribui para que o jogador se sinta cada vez mais no comando da ação, mesmo que mais de cem zumbis estejam vindo em sua direção.

Os chefes opcionais são muito bizarros

Diversão em dose dupla!

Dead Rising 3 ainda permite que a campanha seja jogada inteiramente em modo cooperativo via Xbox Live, o que torna o jogo ainda mais engraçado e divertido. Pouca coisa muda quando a aventura é jogada em duas pessoas, mas as situações se tornam muito mais engraçadas e é mais fácil bolar estratégias para superar certos momentos mais complicados do jogo. Além disso, é sempre muito mais divertido interagir com outro jogador do que com NPCs que podem atrapalhar a jornada por sua nem tão perfeita inteligência artificial.

Com dois jogadores a bagunça fica ainda maior!

Xbox 360, é você?

Infelizmente a grande quantidade de elementos na tela atrapalha toda a performance do título. Com gráficos medianos, ocasionais quedas de framerate e pop up de texturas, o título não apresenta nenhum salto em relação aos jogos lançados para o Xbox 360, muito pelo contrário, já que alguns jogos do fim da geração anterior são até mais bonitos que este. Exceto pelas CGs, que são extremamente detalhadas e belas, o jogo está longe de ser bonito de se ver, mas ainda assim mostra um pouco da evolução de processamento do novo console, já que as hordas de zumbis são realmente impressionantes.

Infelizmente, os gráficos não são nada impressionantes...

Boa estreia

Dead Rising 3 é um dos melhores jogos de lançamento do Xbox One e dá um gostinho de como mais potência de hardware poderá melhorar a experiência dos jogos. As grandes hordas de zumbis, provavelmente impossíveis no Xbox 360, alteram completamente a dinâmica do título e fazem com que tudo se torne mais desesperador e divertido. Infelizmente os gráficos não foram capazes de acompanhar o pacote e o jogo não é um daqueles que dá gosto de mostrar a todos para exibir as capacidades de seu novo console, mas, ainda assim, temos uma experiência sólida que vai suprir por um tempo o hiato de lançamentos que o Xbox One sofrerá nos próximos meses.


Prós

  • Hordas de zumbis realmente impressionantes;
  • História simples, mas envolvente;
  • Grande variedade de armas e itens;
  • Cooperativo muito divertido;
  • Missões paralelas divertidas.

Contras

  • Gráficos muito medianos;
  • Problemas de performance;
  • Campanha um pouco curta.


Dead Rising 3 - Xbox One - Nota: 8.0
Revisão: Vitor Tibério
Capa: Leonardo Correia
Gabriel Vlatkovic é economista formado pela Unicamp. Trabalha como Analista de Finanças e joga videogames há quase vinte anos. Adora ouvir música, assistir a filmes e seriados e discutir a Timeline de Zelda. Quando não está trabalhando, está no Facebook.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook