Jogamos

Análise: Por trás da fumaça e espelhos em The Wolf Among Us: Smoke and Mirrors (X360)

The Wolf Among Us: Smoke and Mirrors continua diretamente a partir dos eventos de Faith , primeiro episódio da série. Perdido em um caso r... (por Rodrigo Bitencourt em 11/02/2014, via Xbox Blast)

The Wolf Among Us: Smoke and Mirrors continua diretamente a partir dos eventos de Faith, primeiro episódio da série. Perdido em um caso repleto de mistérios, o xerife, Bigby Wolf, acaba se envolvendo cada vez mais em uma trama cheia de suspeitos e terríveis assassinatos. E você está novamente na pele do lobo para desvendar o culpado pelo horror que se espalha na comunidade de Fabletown. Não importando os métodos que você tenha que usar, desde que o caso venha a solucionar.

Um crime perfeito 

Com o segundo episódio de The Wolf Among Us (TWAU), a Telltale Games consegue diferenciar muito bem seu novo jogo do prestigiado The Walking Dead: The Game. Apesar da jogabilidade semelhante, como o controle do personagem e o menu de itens, TWAU afirma a sua personalidade e potencial com firmeza e também a competência da produtora em desenvolver um jogo original e ao mesmo tempo fiel aos quadrinhos, de onde os personagens tiveram a sua origem.

Por falar nisso, os personagens são um show à parte. Com uma ótima dublagem e construção, vai ser difícil não agradar aos fãs mais radicais dos quadrinhos, assim como quem nunca sequer leu ou ouviu falar das Fábulas, de Bill Willingham. E é durante os diálogos que você consegue criar uma relação mais emocional com essas criaturas, que vivem em seu mundo particular e vêm de outro universo, tentando se estabalecer em nosso mundo.
Ter que pressionar Toad para conseguir pistas, ou até mesmo seu pequeno filho TJ, e encarar o Woodsman sem medo, são pequenos exemplos que mostram como esses personagens foram bem construídos no jogo. Cada um seguindo o seu papel, cada um deles com nunces muito particulares, que tornam as investigações durante o game muito mais interessantes.

Mas um deles rouba a cena do crime: Bigby Wolf. Não importa quais sejam as decisões que você tome com ele, duras ou leves, tudo sempre parece muito crível, e assim como vamos desvendando o culpado pelos terríveis assassinatos em Fabletown, também vamos desvendando um pouco mais desse personagem.

Marcas da violência 

Quando as fábulas vieram para a Terra, tiveram que arranjar novas maneiras de sobreviver, suas histórias não têm mais um começo, meio e final feliz, como antes. E é aí que muitas delas encontraram refúgio em maneiras mais obscuras de sobrevivência, como a prostituição, profissão de Faith, a garota assassinada no episódio anterior.
Em Smoke and Mirrors fica ainda mais clara a dura realidade das fábulas. O contraste social é brutal, como a diferença que existe entre quem mora em Woodlands, condomínio de luxo, e quem não tem muitos recursos e precisa viver pelos becos ou bairros mais pobres da comunidade. Geralmente, no mundo real, os mais ricos ganham mais atenção, e em Fabletown as coisas não são muito diferentes, infelizmente.

Se você achava que sangue e violência fossem características marcantes apenas de The Walking Dead, errou. The Wolf Among Us consegue ser tão violento quanto, talvez até mais. Afinal, em um jogo de mortos-vivos você espera ver tripas e muito sangue, mas para um game que tem fábulas infantis em seu elenco, você não estava preparado para ver tanto sangue, violência e crueldade.

O clima noir continua, dessa vez mais intenso devido aos momentos de tensão durante as investigações. A história principal não tem um desenvolvimento muito grande, mas também não passa a sensação de enrolação. Tudo que acontece tem um motivo e o jogo consegue prender você dessa maneira. Ele tem seu próprio ritmo e você acaba se entregando pra ele.

Era uma vez

Smoke and Mirrors tem aproximadamente duas horas de duração. Com ótimos gráficos e trilha sonora envolvente, o jogo só confirma o que já sabíamos: a Telltale sabe o que está fazendo. E está fazendo muito bem. Pode-se até dizer que a produtora acabou criando um novo formato para jogos, muito inspirado nas séries de televisão.

O melhor do formato de TWAU é que ele permite mais liberdade para o jogador que tem pouco tempo para se dedicar ao seu hobby. Com uma duração muito próxima à de um longa metragem e com artifícios como o “anteriormente em The Wolf Among Us…”, que esquenta a sua memória sobre as decisões do episódio anterior, o jogo é um prato cheio para todos os públicos.
O único problema é não ter certeza da periodicidade entre os episódios. Um mês seria o ideal, mas como vimos, o primeiro episódio foi lançado em novembro de 2013, enquanto o segundo teve seu lançamento em fevereiro de 2014.

Espelho, espelho meu…

The Wolf Among Us: Smoke and Mirrors é um jogo que testa os seus limites e quer ver até onde você vai para desvendar o terrível caso de assassinatos em Fabletown. Em seu segundo episódio, o ritmo da ação diminui para dar lugar à tensão e ao suspense, que se fazem sempre presentes durante o episódio. Novos personagens aparecem e novas cartas são postas à mesa nesse jogo de gato e rato.

Por trás de um truque de mágica sempre existe a ilusão, envolvida por fumaça e espelhos. Mas com The Wolf Among Us a diversão não tem nada de ilusão, ela é verdadeira.

Prós 


  • A história continua envolvente e se torna cada vez mais intensa; 
  • Novos personagens surgem na trama;
  • Gráficos, jogabilidade e trilha excelentes; 
  • O jogo consegue manter o ritmo do episódio anterior.

Contras


  • O desenvolvimento lento da história nesse episódio pode desagradar alguns jogadores; 
  • As travas durante algumas cenas continuam a aparecer, principalmente nas telas de loading; nada que atrapalhe demais, mas incomodam.

The Wolf Among Us: Smoke and Mirrors — PS3 — Nota: 8.5 
Revisão: Vitor Tibério 
Capa: Vitor Nascimento
Rodrigo Bitencourt atualmente joga videogame para escrever e escreve para jogar videogame. Entre um checkpoint ou outro você pode encontrá-lo no Facebook, Twitter e MyPST.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook