Vem aí

Prévia: Middle-Earth: Shadow of Mordor (XBO/X360)

Middle-Earth: Shadow of Mordor (XBO/X360) promete o colocar em meio às fileiras orcs para destruir as forças de Sauron por dentro e vingar sua família

Primeiro visto como uma cópia de Assassin’s Creed II na Terra Média, Middle-Earth: Shadow of Mordor (XBO/X360) vem ganhando popularidade crescente nos últimos dias, principalmente por conta de sua exibição na E3 e as últimas revelações acerca do sistema Nemesis, que promete revolucionar o gênero de jogos em mundo aberto.

Neste novo episódio na história da Terra Média, que se passa entre os acontecimentos de O Hobbit e a trilogia de O Senhor dos Anéis, entramos na pele do patrulheiro Talion, morto em um ataque, mas que volta à vida ao ser fundido com um espectro. Sim, eu também torci o nariz a primeira vez que li sobre o protagonista, mas temos motivos suficientes para levar fé na nova empreitada da Warner Bros. dentro do universo de Tolkien e dizemos o porquê nos parágrafos seguintes!

Mais uma história de vingança

Talion é um patrulheiro que vigia o Portão Negro, a entrada para as terras de Mordor, tomadas pela aliança entre os humanos, elfos e anões na primeira guerra do anel. Como todos sabemos, o exército maligno de Sauron reconquista sua força e retoma Mordor e é nesta retomada que Talion e sua família perdem a vida.

Porém, algo curioso acontece e um espectro se funde ao corpo morto de Talion, ressuscitando não apenas seu corpo mas também sua consciência. Enquanto os objetivos do espectro não ficam claros, ele não vê problema algum em auxiliar o patrulheiro em sua jornada de vingança. Nós apostamos que ele também quer se vingar de Sauron.
Uma despedida?

Parecendo satisfatório

Um dos pontos que não devem ser chamativos no lançamento do jogo serão os gráficos. Conferindo as exibições e trailers, não é possível ver nada fora do que já é esperado nessa geração. Claro que as versões para PC, PS4 e Xbox One terão melhorias gráficas, mas é difícil negar que, quando um jogo marca presença em ambas as gerações, as mais novas acabam não recebendo o tratamento gráfico devido para o potencial que possuem.

Os melhores jogos da atualidade em um

Middle-Earth: Shadow of Mordor traz jogabilidade semelhante ao que vimos em outros jogos, principalmente seu combate, que parece bem similar ao que vimos nos últimos títulos do Morcegão. Já a movimentação do personagem e sua habilidade em escalar estruturas parece bastante às vistas na série Assassin’s Creed e foi o que causou essa impressão inicial da empresa e da própria Ubisoft, que havia acusado Shadow of Mordor de ser uma cópia de Assassin’s Creed II a alguns meses atrás.

Além de todas suas habilidades como patrulheiro, Talion também ganha os poderes do espectro que divide seu corpo. Com isso, o protagonista pode se projetar no plano dos seres etéreos, executar teletransportes de curta distância – da mesma maneira que a habilidade Blink, usada por Corvo em Dishonored (X360) – e a mais interessante, a de poder dominar a mente de seus inimigos. Essa habilidade será essencial para tomar o controle das forças de Sauron, como poderá ver logo abaixo.

O sistema Nemesis é coisa linda de Ilúvatar

Apesar de sua jogabilidade seja inspirada em grandes títulos dessa geração, o que tornará Shadow of Mordor único é o sistema Nemesis. Nele, as estruturas de poder do exército maléfico dos orcs são ocupadas por personalidades únicas, com visual e traços que são gerados aleatoriamente no início do jogo, significando que cada memória nova que criar será jogada de maneira diferente.

Como seu objetivo é destruir as forças de Sauron por dentro, a habilidade de dominação terá grande papel aqui. Com ela, será possível, por exemplo, tomar o controle de um tenente e usá-lo para incitar uma rebelião dentro de seu exército, o que abalará a cadeia de comando dos monstrengos de maneira bastante violentas. Diplomacia é uma palavra que não existe no dicionário orc.
Acho que alguém não vai muito com a sua cara, Talion
Outro ponto que torna o sistema interessante acontece quando um orc mata seu personagem. Ao ser assassinado, o orc que o matou ganhará promoções dentro de suas tropas, além de ficar mais forte e ganhar posições de comando. Ou seja, a estrutura de poder que mencionei no primeiro parágrafo sobre o sistema não é fixo, mas orgânico, mudando conforme o jogo avança.

A Warner Bros. também divulgou que nem todas as mudanças no universo de Shadow of Mordor acontecerão exclusivamente por conta de seus atos, ou seja, prevemos um universo orgânico onde os NPCs não irão interagir apenas com o protagonista, mas entre si, mesmo em locais nos quais não estará presente. Esse, de longe, é o fator mais importante para tornar o título digno de carregar o pesado nome de O Senhor dos Anéis.
Middle-Earth: Shadow of Mordor (XBO/X360)
Desenvolvimento: Monolith Production / WB Games
Gênero: Ação e aventura
Lançamento: 7 de outubro de 2014
Expectativa: 3/5
Revisão: José Carlos Alves
Capa: Diego Migueis
Filipe Salles é formado em Administração de Empresas pela UNIGRANRIO, joga videogame desde os quatro anos. Nerd assumido, adora falar sobre cultura geek e videogames, o que o levaram à redação do Xbox Blast e da PlayerTwo. Está no Facebook e Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook