Vem aí

Prévia: Sea of Thieves (XBO/PC) promete ser um mar de aventuras piratas

Rare almeja um retorno triunfante na indústria de jogos eletrônicos com sua nova IP exclusiva da Microsoft.

A desenvolvedora britânica Rare é uma first-party da Microsoft desde 2002, quando a empresa foi comprada pela multinacional de Bill Gates. Depois de anos trabalhando na divisão de jogos para o sensor de movimentos Kinect, a produtora almeja um retorno triunfal com sua IP inédita para a nova geração de consoles: o multiplayer cooperativo Sea of Thieves (XBO/PC).

Explorando novos mares

Em 2014, após o fracasso comercial de Kinect Sports Rivals (XBO) e o anúncio da Microsoft de que o Kinect deixaria de ser uma prioridade para o então novo console Xbox One, a Rare iniciou a produção de Sea of Thieves no intuito de criar uma nova marca de jogos da produtora e trazer tudo de bom de seus títulos anteriores em uma IP inédita.


De acordo com o designer Mike Chapman, a ideia para Sea of Thieves surgiu em contexto no qual a Rare buscava se reinventar e trazer novidades para a nova geração. A criação de um jogo que fosse algo diferente dos trabalhos anteriores, mas que respeitasse a história da produtora e também abrisse caminho para o futuro da desenvolvedora.

Sandbox no console

O conceito para um multiplayer de piratas se originou a partir de um contexto no qual jogos de mundo aberto não eram tão populares ou eram pouco explorados nos consoles. Com a Oitava Geração de Consoles em seu início, nenhum game do tipo sandbox havia se destacado no mercado. A partir do contato com inúmeros jogos online de mundo aberto para computador, a equipe de Sea of Thieves pensou em aplicar a mesma fórmula para um título no console.


Em meio a tanta variedade de temas para um multiplayer, como zumbis, caçadores, pistoleiros, cavaleiros, magos, entre outros; a Rare desejava algo que fizesse de sua nova IP única. Um universo pouco explorado nos games o qual eles poderiam reviver o gênero e criar uma nova tendência. Assim nasceu o tema pirata. 

Terra à vista

Para Mike Chapman, o tema pirata é encantador pelo fato da maioria das pessoas crescer assistindo e lendo sobre o assunto. Adultos e crianças já brincaram de ser piratas em um parque ou quintal, infâncias de caça ao tesouro e barquinhos de papel, duelos de espada e a voz carregada de um sotaque pirata unida a um tapa-olho ou chapéu de capitão.


Para o grupo de produção da Rare, a beleza dos piratas está em quaisquer pessoas poderem se identificar com o jogo e se divertirem juntas. Diferente da maioria das propostas dos jogos multiplayer, em que usualmente jogadores competem entre si para provar sua superioridade, em Sea of Thieves o foco é o trabalho cooperativo. Equipes de até quatro jogadores unidos para desbravar terras misteriosas e caçar tesouros escondidos.

Sea of Thieves traz gráficos cartunizados coloridos em uma ambientação que é o retrato da Rare: alegria e aventura. O título é em primeira pessoa e permite crossplay entre jogadores das plataformas Xbox One e Windows 10. O novo jogo promete um mundo aberto rico em missões, onde grupos de jogadores podem partir em viagens em busca de diferentes objetivos em um sandbox online compartilhado, fazendo com que os jogadores se encontrem nos mesmos cenários e missões.


Desenvolvido com a tecnologia Unreal Engine 4, o jogo traz combates em PvE e PvP a escolha dos jogadores. Contudo, o forte de Sea of Thieves promete ser seu sistema cooperativo. A Rare deseja criar uma experiência tão encantadora e inesquecível quanto os dois filmes de fantasia que inspiraram o jogo, A Ilha do Tesouro (Victor Fleming, 1934) e Os Goonies (Richard Donner, 1985).

Sea of Thieves — XBO/PC
Desenvolvedor: Rare
Gênero: Aventura (multiplayer cooperativo)
Lançamento: 20 de março de 2018
Expectativa: 5/5
Karen K. Kremer é mestre jedi em história pela UEPG e game designer pela Universidade Positivo. Viajante do tempo e cinéfila, considera Quantum Break uma obra-prima. Cresceu fazendo Meteoro de Pégasos e jogando videogame. Apaixonada por literatura, ilustração e dinossauros. Diz a lenda que com um bat-sinal no Twitter ou DeviantArt ela aparece.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook