Jogamos

Análise: The Walking Dead - Episode 3: Long Road Ahead (XBLA)

Com um atraso convencional (dois meses, para ser exato), a Telltale Games lançou, no último 29 de agosto, The Walking Dead - Episode 3 , tí... (por Jardeson Barbosa em 20/09/2012, via Xbox Blast)

Com um atraso convencional (dois meses, para ser exato), a Telltale Games lançou, no último 29 de agosto, The Walking Dead - Episode 3, título que dá continuidade à história do ex-condenado, Lee Everett, e da pequena Clementine em um mundo pós-apocalíptico onde os mortos retornam à vida e se alimentam de carne humana. Para um melhor entendimento da análise, recomendamos que você leia as análises dos episódios anteriores, A New Day e Starved for Help. Long Road Ahead não reitera tudo o que foi dito e feito nos primeiros dois episódios, e garante seus momentos de surpresas positivas e negativas.

Novos problemas

Apesar de se passarem no mesmo universo e de serem sequências diretas, os episódios anteriores abordaram temáticas bem distintas quanto à história. Com Long Road Ahead a situação não é diferente. Após descobrirem que o mundo inteiro está um completo caos e que não dá para confiar nem mesmo nos vivos, Lee e seu grupo de sobreviventes (que sofreu poucas baixas no episódio anterior) decidem manter uma vida "normal" no mesmo hotel abandonado de antes, dividindo as obrigações entre todos eles e uma liderança forçada entre Lilly e Kenny.


Mais uma vez deixando os zumbis apenas como pano de fundo, os sobreviventes agora têm que encarar um grupo de bandidos que, graças aos eventos do último episódio, procuram por comida.

Com uma Lilly desequilibrada e um fardo pesadíssimo nas costas, Lee deverá conter um clima de tensão que se iniciou com a suspeita de que um dos membros do grupo é um traidor que trabalha com os bandidos.

Emoção à flor da pele

Um dos destaque deste episódio está na forma como o belíssimo enredo foi executado. Desde o primeiro episódio, já sabíamos que estávamos diante de um enredo muito bem feito, mas o ápice da história ocorreu mesmo em Long Road Ahead.




Não quero adiantar nenhum fato, mas é neste episódio que as suas decisões tomarão uma conotação muito mais emotiva. Medo, desconfiança, raiva, frustração, tristeza, todos esses sentimentos (e muitos outros) o acompanharão dos primeiros aos últimos minutos de jogo. Já nas primeiras cenas, encaramos uma situação que exige raciocínio rápido e que serve, basicamente, para testar a nossa "humanidade". Uma pobre garota está sendo atacada por zumbis, mas ela não faz parte do seu grupo de amigos. O que fazer? Ajudá-la e correr o risco de morrer ou utilizá-la como isca para conseguir pegar alguns suprimentos? Quais as regras desse novo mundo? É você quem irá ditá-las.

Pegando a sniper!

Apesar de ainda descaracterizar o gênero adventure, Long Road Ahead é o episódio com maior variação no gameplay até o momento.




O tradicional "aponte e clique" está de volta, mas em alguns momentos o jogo te dará outras oportunidades, como em cenas de tiro em que você tem, até mesmo, a possibilidade de utilizar um sistema de coberturas, típico de jogos de tiro em primeira e terceira pessoa.

Os puzzles voltaram, mas em bem menor quantidade. Como sempre, eles são bem interessantes e exigem, na maior parte do tempo, um raciocínio rápido. Por falar em raciocínio rápido, o jogo é cheio desses momentos. Assim como na vida real, a morte não espera e a atenção tem que ser redobrada.




Se a variação no gameplay é importante, a variação nos cenários também é. O terceiro episódio de The Walking Dead expande ainda mais as ambientações e nos dá uma pequena visão do grande universo caótico da série criada por Robert Kirkman.

Bugs que quebram o clima

Long Road Ahead é o episódio mais problemático até aqui. Muitos glitches acabam destruindo completamente o clima de imersão causado pelo título.

A câmera problemática não foi corrigida, ela ainda se afasta e se aproxima de forma exagerada, dificultando o gameplay. Paredes invisíveis? Estão por todas as partes. Essas tais paredes nos acompanham desde o primeiro episódio, mas se tornaram um recurso sem-vergonha em Long Road Ahead. Não seria tão difícil inserir alguns elementos para limitar os cenários, seria?

O ápice do problema ocorre em situações inéditas. Personagens simplesmente desaparecem diante de seus olhos, criando situações cômicas que deturpam completamente a proposta do jogo. O seu personagem ficou preso no chão? Bem, o meu também. E quando o jogo simplesmente congela? Muitos jogadores tiveram que reiniciar o jogo para poderem chegar ao fim, mas alguns truques conseguiam driblar os inúmeros bugs – como clicar em partes interativas do cenário ou abrir o menu e fechá-lo em seguida.

O vídeo a seguir apresenta uma sequência recheada desses problemas. Atente-se à quantidade expressiva de spoilers.



Por fim, Long Road Ahead é o episódio que tenta unir todos os jogadores na mesma história. Muitas das escolhas construídas nos episódios anteriores são completamente trucidadas pelo andar do enredo. De fato, é mais fácil para a Telltale Games trabalhar com menos ramificações para o enredo, mas não deixa de ser frustante perceber que muitas escolhas acabaram sendo ignoradas, já que o resultado final foi o mesmo para todos os jogadores.




Mesmo assim, o terceiro episódio de The Walking Dead ainda é capaz de impressionar e emocionar. Confesso que mesmo alguns dias após finalizar o episódio eu ainda fiquei impressionado com o rumo que a história tomou (de forma positiva, é claro). A Telltale Games aproveitou o fato de que a maioria dos jogadores já havia desenvolvido laços de amor e ódio com os diversos personagens e criou uma série de situações únicas nos videogames que engrandecem a obra e demonstram que o trabalho deles é muito sério. Apesar dos problemas técnicos, o terceiro episódio é uma continuação sólida de uma história incrível, um título essencial para os amantes de bons enredos.


The Walking Dead - Episode 3: Long Road Ahead está disponível na Xbox Live Arcade separadamente por 400 Microsoft Points, mas é necessário possuir os dois episódios anteriores para poder acessá-lo. É sempre bom lembrar que nenhum dos três episódios foi lançado na Live brasileira, então é necessário possuir uma conta norte-americana para baixá-los.

Prós

  • A história chega ao seu ápice;
  • Dublagem acima da média;
  • Mais cenários, novos personagens.

Contras

  • Cadê aquele personagem que estava aqui? Glitches por toda parte;
  • As paredes invisíveis se tornaram ainda mais incômodas;
  • Algumas escolhas anteriores foram ignoradas neste episódio.
The Walking Dead - Xbox Live Arcade - 8.5
Visual: 8.0 | Som: 9.5 | Jogabilidade: 8.0 | Diversão: 10
Revisão: Vitor Tibério
Jardeson Barbosa escreve para o Xbox Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook