Perfil

Master Chief é o salvador que a humanidade precisa

Treinado para a arte da guerra e obediência, John 117 é o grande protagonista da guerra Humanos vs Covenant.




Na E3 deste ano, a Microsoft soltou um breve teaser do novo game da série Halo. Inicialmente apresentado como Halo Infinite, vemos uma breve apresentação do cenário (e da nova engine usada pela 343 Industries) com o herói Master Chief aparecendo ao final do vídeo.

Afinal, quem é Master Chief? E por que ele é o maior ícone do lado verde da força nos consoles? Tudo que podemos dizer sobre ele, em primeiro lugar, é que seu sucesso está diretamente ligado ao grande começo que o Xbox teve na sua primeira geração.

Master Chief, o salvador?

O mesmo veio como testemunha, para dar testemunho da luz, a fim de que por meio dele todos os homens pudessem crescer (João 1: 1-7)
Halo é uma série que assume muitas referências religiosas. A Ark (arca), construída para proteger o universo do Flood (inundação), te lembra alguma passagem bíblica? Além disso, em diversas campanhas a Microsoft apresentou trechos religiosos fazendo alguma alusão seja aos acontecimentos dos jogos ou mesmo ao seu protagonista, Master Chief.

Master Chief era conhecido como John 117. O nome e os números fazem referência ao trecho presente em João 1: 1-7 (usado também no lançamento de Halo 3). Para quem não sabe, a passagem refere-se ao salvador, Jesus Cristo. A ideia aqui é justamente colar a imagem do herói ao mito cristão. Entretanto diferentemente de Cristo, figura pacificadora, John 117 era justamente seu contrário.

Quando ele participou do treinamento para se tornar um Spartan, John pregou algumas peças nada convencionais em seus colegas. Uma delas foi jogar uma criança de um penhasco. Além disso ele roubou o jantar de uma garotinha e era bem egoísta (ele, certa vez, deixou de ajudar os colegas de classe só para poder terminar a atividade primeiro).




Ainda assim achou pouco? John 117 assassinou seus colegas de equipe de maneira brutal. Depois de uma discussão com um oficial da ODST, ele foi desafiado por seu superior para decidirem suas desavenças em um ringue. John foi atacado pelo oficial e alguns de seus comparsas e, mesmo em desvantagem, conseguiu se defender e derrotar a todos esmagando os ossos e depois montando em cima dos corpos mortos para demonstrar sua vitória.

Digamos que John foi um salvador nada convencional. Mas, afinal de contas, quem é John? Um herói de verdade? Um monstro? Um “produto do meio” em que vive?

Projeto Orion/Projeto Spartan II

A UNSC, unidade militar responsável por manter a segurança dos humanos no universo criou o Projeto Orion. Em resumo, trata-se de uma ação liderada pela Dra. Catherine Halsey a fim de conter alguma rebeliões nas colônias humanas (rebeldes se posicionavam contra as políticas da UNSC). O projeto consistia em criar um grupo de super soldados para combater certas ameaças ao status quo.

O Projeto Orion (também conhecido como Spartan I) foi considerado um verdadeiro fracasso, pois dos 300 voluntários poucos haviam sobrevivido e apresentavam sequelas como problemas físicos e psicológicos.

A Dra. Catherine parecia empenhada na ideia e foi ela também a responsável pelo Projeto Spartan II. Dessa vez, a ideia foi pegar crianças com habilidades notáveis a partir dos 6 anos de idade e sequestrá-las de suas famílias.





Com isso, em 2517 diversas crianças foram retiradas de suas famílias e substituídas por clones enquanto dormiam.Esses clones morriam após algum tempo de causas naturais. As crianças foram levadas para o planeta Reach e submetidas a diversos procedimentos como preparação física e aulas sobre a arte da guerra e obediência.

Cerca de 33 crianças passaram em todos os testes e avaliações e, dentre elas, John 117. Aos 14 anos John e os demais spartans apresentavam físico e psicológico melhorado. Isso significa que eles conseguiam fazer tudo o que um humano faz mas três ou quatro vezes melhor. (Evite usar o 3x). Tinham dois metros de altura e pesavam  cerca de 100kg, atingindo a velocidade de 50 km/h. Eles também eram capazes de carregar três vezes mais o próprio peso, enxergar no escuro e utilizam uma armadura altamente tecnológica e adaptada para seus corpos chamada MJOLNIR.

Foi nessas condições que John 117 foi criado, mas até o momento ele era apenas um Spartan e ainda não havia se tornado o herói Master Chief

De John 117 para Master Chief

John 117 nasceu no dia 7 de março de 2517 no planeta Eridanus II. Ele foi uma das crianças capturadas para o projeto Spartan II e era descrito como dono de um grande intelecto e com sorte.





Essas duas características fariam com que John 117 se destacasse entre os demais spartans. Sendo assim, ele ganhou notório respeito por sua liderança e acabou sendo o grande articulador do time azul.

Após sucesso nas mais diversas missões, ele se tornou Mestre Sub-oficial ou, como ficou conhecido, Master Chief. Com sua sorte e intelecto o Spartan se tornou uma verdadeira lenda se transformando em líder de todos os Spartans e recebendo todas as condecorações possíveis.

Para se ter uma ideia, Chief é conhecido entre os inimigos dos humanos (os Covenants) como “demônio”. Sua habilidade em executar missões praticamente impossíveis e motivar seus companheiros é algo temido por aqueles que o enfrentam.

Por ser mais um indivíduo de ação a personalidade de Master Chief é bem reservada, sendo um sujeito de poucas palavras. Sua maior amizade, por assim dizer, é com a inteligência artificial Cortana, que o acompanha em todas as jornadas.

Um herói fabricado

Master Chief foi criado para ser um líder e o grande salvador da humanidade na guerra contra os Covenants. Entretanto, apesar das comparações com Cristo, ele só se assemelha no quesito “última esperança”, pois seus métodos são militares.

Pode-se dizer que, em situações específicas, atitudes nada convencionais se fazem necessárias. Master Chief não é aquele boa pinta certinho que todos pensam de um herói. Seu passado já indica isso. Por outro lado, ele é aquilo que os humanos precisam na guerra contra seu maior inimigo: um indivíduo de poucas palavras, com muita sorte (sucesso) e que se torne uma verdadeira ameaça (um demônio).

Revisão: Flávio Augusto Priori
Rafael C. Oliveira é goiano e já foi astro do rock (no Guitar Hero), líder de uma grande civilização (no Age of Empires) e bem casado (no The Sims). Ele diz que está escrevendo um livro de ficção científica numa tentativa de fazer novos amigos assim. Você pode tentar convencê-lo de desistir dessa ideia absurda no Twitter ou Facebook dele.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook