Blast from the Past

Tales of Vesperia (X360) elevou a popular série de JRPGs a novos patamares

A estreia da franquia em consoles HD foi marcada por belos gráficos e uma aventura divertida.


A série ‘Tales of’ é uma das franquias de RPG japoneses mais populares do mundo dos jogos. Tales of Vesperia, o décimo título principal da série, é um dos episódios mais amados pelos fãs. O jogo quebrou vários paradigmas: foi o primeiro a apresentar gráficos em alta definição, foi lançado praticamente ao mesmo tempo nos Estados Unidos e Japão como um exclusivo do Xbox 360. Relembre conosco as aventuras de Yuri e seus amigos.

Uma aventura em busca de justiça

A aventura de Tales of Vesperia se passa em um planeta chamado Terca Lumireis. A humanidade prospera com a ajuda de blastia, uma tecnologia antiga com vários usos. Ela é utilizada na criação de barreiras contra monstros, realização de feitiços, nos motores de veículos e máquinas, entre outros. Os dispositivos equipados com blastia utilizam aer, uma energia presente no ar. Por conta de seu amplo uso, a tecnologia é comum na vida das pessoas.

Yuri Lowell é um rapaz que mora nos subúrbios da cidade de Zaphias na companhia de seu cão Repede. Ele é bem popular por ter um senso de justiça afiado e por ser prestativo, ajudando as pessoas sempre que possível. Um dia a blastia responsável por regular uma fonte de água é roubada, alagando todo o bairro. Yuri decide ir atrás do ladrão para recuperar o objeto. Depois de ser preso por se meter em algumas confusões, ele foge da cidade e continua a busca pelo criminoso.

É nesse momento que ele conhece Estelle, uma princesa que está procurando por Flynn, um oficial do exército e amigo de infância de Yuri. Os dois decidem se unir, sendo que vários outros personagens se juntam a eles por motivos distintos. Pouco a pouco o grupo descobre que o roubo da blastia de Zaphias é só o começo de uma série de acontecimentos que podem mudar completamente o mundo de Terca Lumireis — e somente eles podem salvar a humanidade.

Um anime interativo

A trama de Tales of Vesperia tem a premissa básica da série: um grupo de heróis de personalidade bem distinta se une para salvar o mundo. O interessante aqui é que a história tem alguns pontos nunca vistos antes na franquia, como protagonistas capazes até mesmo de matar seus inimigos. A principal novidade do décimo título principal da franquia ficou por conta da parte técnica. Com a ajuda do poder de processamento do Xbox 360, os desenvolvedores puderam caprichar nos gráficos. O resultado é um título de ótimo visual, praticamente um anime em movimento. Todos os personagens e localidades são bem construídos e têm inúmeros detalhes, tornando deslumbrante o mundo de Terca Lumireis.

O lançamento de Vesperia também foi excepcional: o jogo chegou ao Japão e Estados Unidos no mesmo mês, enquanto outros jogos da franquia chegam a levar anos para serem traduzidos para o inglês. Pela primeira vez na série, as versões japonesas e ocidentais do título compartilharam a mesma música tema: Ring a Bell, da cantora nipônica Bonnie Pink, teve uma versão em japonês e outra em inglês. Por fim, este foi o primeiro jogo da série a oferecer recursos online e conteúdo por download, por mais que de maneira não muito significativa. Na verdade isso foi criticado, pois os DLCs consistiam em itens raros (que também podiam ser obtidos normalmente no jogo), roupas extras e até mesmo níveis para os personagens.

Já a jogabilidade básica seguiu os conceitos dos títulos anteriores da franquia. Como em todo RPG japonês, o grupo de personagens explora cidades, ruínas, calabouços e vastos campos; enfrentando vários inimigos pelo caminho. As skits (conversas entre os personagens fora da trama principal) aparecem em abundância no jogo e são completamente dubladas na versão ocidental — isso foi um marco para a série na época, pois as skits das localizações anteriores não eram dubladas.

Perdendo-se no frenesi da batalha

Tales of Vesperia usou uma versão melhorada do sistema de batalha de Tales of the Abyss (PS2/3DS). No Evolved Flex-Range Linear Motion Battle System (EFR-LMBS), os personagens se movem em um plano 2D em relação ao inimigo selecionado, sendo possível atacar, defender e usar técnicas especiais em tempo real. Ao segurar o botão RT, o herói pode andar livremente pelo campo de batalha. Ataques podem ser utilizados em sequência, em combinações interessantes e cada personagem tem particularidades de jogabilidade distintas, o que resulta em um sistema ágil, dinâmico e variado.

O jogo tem algumas novidades interessantes. A primeira delas é o Encounter Linking: inimigos próximos podem se juntar à batalha, aumentando consideravelmente a quantidade de oponentes e a dificuldade dos combates. Já os Fatal Strikes são ataques especiais que conseguem derrotar inimigos comuns com poucos golpes, ignorando os pontos de vida restantes. As batalhas contra chefes têm missões secretas, que podem facilitar ou dificultar o confronto — existem recompensas para quem completá-las. Por fim, existe o Overlimit, uma barra de energia que, quando ativada, fortalece os personagens e modifica as técnicas especiais, tornando-as ainda mais letais.

Algo único em Vesperia é o sistema de habilidades. Novas técnicas e movimentos não são adquiridos ao subir de nível, mas sim ao equipar armas e acessórios. Cada item pode ter várias habilidades diferentes, o que faz com que armas fracas tenham um conjunto de técnicas boas, por exemplo. Os personagens podem aprender definitivamente as habilidades dos equipamentos, basta adquirir a quantidade necessária de Learning Points. Esse sistema, que lembra o utilizado em Final Fantasy Tactics Advance (GBA), incentiva a experimentação e a troca constante de itens.
Tales of Vesperia conseguiu fazer com que o Xbox 360 esgotasse no Japão na sua semana de lançamento, o que é um feito impressionante pois o console da Microsoft não é popular em solo nipônico. Praticamente um ano depois, o título foi portado para PlayStation 3. A nova versão tinha conteúdo extra como novos personagens jogáveis, ataques, missões, localidades e até mesmo melhorias no sistema de batalha. Fãs que compraram o Xbox 360 especificamente para esse título ficaram irados e postaram na internet fotos do disco do jogo destruído, junto com mensagens de ódio direcionadas à produtora. A versão de PlayStation 3 nunca foi lançada fora do Japão, para a infelicidade dos jogadores ocidentais. Não se sabe ao certo o motivo disso, alguns especulam que a Microsoft impediu a localização do jogo.

Um marco na série Tales of

Tales of Vesperia foi uma ótima estreia da série na geração de gráficos HD. O jogo contava com ótimos gráficos e direção de arte, além de um sistema de batalha frenético e divertido. A recepção foi muito positiva e até hoje os fãs o consideram um dos melhores títulos da franquia e um dos destaques do Xbox 360 quando o assunto é RPG. Como é de costume, a Bandai Namco produziu inúmeros produtos baseados em Vesperia, como um mangá, miniaturas e roupas, sendo o mais importante deles um filme animado que mostra o passado de Yuri Lowell. E vocês, tiveram a oportunidade de jogar Tales of Vesperia? O que acham desse título?

Revisão: Alberto Canen
Capa: Diego Migueis
Farley Santos é brasiliense e gosta de explorar games obscuros e pouco conhecidos. Fã de Yoko Shimomura, Yuzo Koshiro e Masashi Hamauzu, é apreciador de boardgames, game music, fotografia e livros. Além de mostrar seus cliques no Flickr, tem também um blog onde escreve sobre inúmeros assuntos.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook