Hands-on

Seja o McGyver da matança de zumbis em Dead Rising 3 (XBO)

Desde o primeiro Resident Evil , lançado em 1996, a moda dos zumbis vem crescendo de forma exponencial, o que comprovamos nos milhares de ... (por Filipe Salles em 02/11/2013, via Xbox Blast)

Desde o primeiro Resident Evil, lançado em 1996, a moda dos zumbis vem crescendo de forma exponencial, o que comprovamos nos milhares de apocalipses zumbi que presenciamos nos games, filmes, séries, etc. Mesmo saturados, os mortos-vivos não deixam de pipocar nos consoles e na próxima geração não será diferente, com o terceiro episódio da franquia Dead Rising chegando exclusivamente para o Xbox One.

Com um novo protagonista, Nick, Dead Rising 3 está prometendo mais possibilidades, permitindo a criação de mais armas insanas, e também ainda mais ação na tela da sua TV. Durante a Brasil Game Show 2013, a equipe Xbox Blast teve acesso à versão demo do jogo, onde pudemos testar toda a capacidade de destruição em massa do novo personagem principal.

A quantidade de zumbis na tela é de mais de 9.000!

Logo de cara, Nick está sozinho no meio de uma cidade abarrotada das monstruosidades. Quem já jogou ou assistiu a The Walking Dead sabe que o caminho inteligente é evitar chamar a atenção dos zumbis o máximo possível enquanto atravessa o cenário, correto?

Se respondeu sim, resposta errada! Uma multidão de zumbis significa uma oportunidade de estraçalhar corpos das maneiras mais absurdas. O que impressiona não é a qualidade gráfica ou o detalhamento dos personagens em si, mas sim a capacidade do jogo de aglomerar uma quantidade gigantesca de inimigos na tela se movimentando sem causar lentidão.
 Por conta disto, podemos concluir que para Dead Rising 3, quantidade é melhor que qualidade e, embora nenhum defeito na modelagem ou animação dos personagens possa ser detectado, fica claro que os mesmos não são tão detalhados, o que na verdade não é um problema para esta franquia.

O ninja dos CD’s de música

Ninja dos CDs de música, mestre na arte do assassinato por lanterna, Nick é o McGyver dos jogos de zumbi. Passear pela cidade aniquilando zumbis nunca foi tão fácil como em Dead Rising 3, e quase tudo pode ser usado e combinado para facilitar a sua tarefa. As armas mais alucinantes podem ser criadas, como metralhadoras automáticas acopladas às mãos como se fossem garras.
Os comandos de jogo também são fáceis e intuitivos, permitindo executar ações como trocar de armas de maneira ágil, sem a necessidade de pausar a jogatina para tal. O restante dos controles são tão ágeis quanto, e até mesmo pegar itens cercado de uma horda de zumbis é possível.

Será que vale?

É cedo para decidir se Dead Rising 3 valerá a pena, visto que muitas outras funções ainda estarão disponíveis até sua data de lançamento, programada para o dia 22 de novembro, junto ao novo console da Microsoft. O que já podemos ter noção é de que teremos uma expansão de quantidade de elementos na tela, sendo este talvez o jogo que contará com o maior número destes elementos.

Outro ponto a se abordar é que, pelo trailer exibido, teremos um protagonista tão fanfarrão quanto o antecessor, o jornalista Frank West, que protagonizou as edições anteriores e se tornou um dos personagens mais queridos pelos jogadores, então podemos ficar tranquilos que nossas risadas estão garantidas. De resto, só o tempo dirá e, enquanto isso, resta a nós especularmos a que caminho o terceiro episódio de Dead Rising levará a franquia. Nos conte se teve a oportunidade de jogá-lo no estande da Microsoft durante a BGS 2013 e deixe aqui sua opinião!

Revisão: José Carlos Alves
Capa: Douglas Fernandes
Filipe Salles é formado em Administração de Empresas pela UNIGRANRIO, joga videogame desde os quatro anos. Nerd assumido, adora falar sobre cultura geek e videogames, o que o levaram à redação do Xbox Blast e da PlayerTwo. Está no Facebook e Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook