Discussão

A Microsoft perde em não oferecer suporte VR para Resident Evil 7: Biohazard?

Será que o Xbox One sai prejudicado por não oferecer uma experiência em realidade virtual?

O novo survival horror da Capcom, Resident Evil 7: Biohazard (Multi) era um dos jogos mais esperados do ano. A consagrada franquia de monstros e zumbis de Shinji Mikami e Tokuro Fujiwara possui milhões de fãs que ansiavam por uma retomada às origens da série. O game foi um sucesso entre os jogadores e uma das novidades é a experiência em realidade virtual. Nesse sentido, será que a Microsoft sai atrás das concorrentes por não oferecer suporte VR para o jogo da Capcom?

Realidade virtual desde 1960


A realidade virtual não é algo que surgiu com a popularização do Oculus Rift, da Oculus VR, em 2016. O recurso de imersão digital originou-se em 1960, criado pelo cineasta estadunidense Morton Heilig. O cineasta criou o Sensorama, um simulador multissensorial onde um filme era exibido em conjunto com efeitos de odor, vento, som e vibrações. Desde então, outros profissionais empenharam-se em desenvolver a tecnologia até o ponto atual.

A realidade virtual como a conhecemos nos jogos eletrônicos contemporâneos começou no início da década de 1990, envolvendo a construção de um ambiente virtual em 3D interativo. A tecnologia possui vários níveis de imersão, utilizados para diferentes funções em diversas áreas do conhecimento. No caso dos games, o suporte VR oferece o estágio máximo de imersão: um mundo virtual interativo com interface sensorial.

VR para poucos

Apesar da bem-sucedida empreitada do empresário estadunidense Palmer Luckey com o Oculus Rift no cenário dos games e o recente sucesso da Sony com as vendas do PlayStation VR, os headsets VR ainda não são a primeira escolha da maioria dos jogadores. A tecnologia ainda é muito nova e o alto custo, principalmente no Brasil, torna o acessório pouco usado entre a comunidade gamer.

Neste cenário, o êxito de Resident Evil 7: Biohazard na nova tecnologia influencia uma parcela dos jogadores a se interessar pelos benefícios da realidade virtual. Porém, como o mencionado, o preço caro do Oculus Rift, PlayStation VR, HTC Vive, OSVR, entre outros headsets VR deixam a experiência longe da realidade da maioria dos jogadores. Afinal, não é qualquer jogador que tem minimamente mais de cinco mil reais para gastar no acessório, não é?


Microsoft, zumbis e realidade virtual

Não há dúvidas de que a realidade virtual é a nova tendência da indústria de jogos eletrônicos, contudo, enquanto o suporte VR não baixar de custo para alcançar a maioria dos gamers, a Microsoft não tem nada a perder por não oferecer a cara experiência de realidade virtual em Resident Evil 7: Biohazard.

Revisão: Arthur Maia
Karen K. Kremer é mestre jedi em história pela UEPG e game designer pela Universidade Positivo. Viajante do tempo e cinéfila, considera Quantum Break uma obra-prima. Cresceu fazendo Meteoro de Pégasos e jogando videogame. Apaixonada por literatura, ilustração e dinossauros. Diz a lenda que com um bat-sinal no Twitter ou DeviantArt ela aparece.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook